Boletim de informações COVID-19 n° 782 Tatuí, 01 de julho de 2022, sexta-feira, 11h00

8 PACIENTES HOSPITALIZADOS
492 INFECTADOS EM TRATAMENTO
0 DIAS SEM ÓBITOS
484 CASOS CONFIRMADOS EM 7 DIAS
69,14 MÉDIA MÓVEL DE CASOS POR DIA

Fonte: Prefeitura de Tatuí

sábado, 11 de junho de 2022

MPF defende absolvição de jornalista acusado de calúnia contra deputado

PANOS QUENTES

Por José Higídio, no Consultor Jurídico

1106/2022  -  O Ministério Público Federal produziu parecer favorável à absolvição do jornalista José Reiner Fernandes, diretor do Jornal Integração, de Tatuí (SP), em uma queixa-crime por calúnia, difamação e injúria movida contra ele pelo deputado federal Guiga Peixoto (PSC-SP).

Guiga Peixoto, deputado federal tatuiano, apresentou queixa-crime contra jornalista Divulgação/Câmara


Em janeiro de 2020, Reiner publicou no jornal uma reportagem que revelou os salários dos assessores parlamentares de Peixoto, bem como os valores recebidos pelo deputado — que é tatuiano — ao longo de seu mandato. O texto dizia que eles iriam "meter as mãos" em uma "bagatela" de R$ 4 milhões em dinheiro público.

À mesma época, após ser criticado em uma página no Facebook, o jornalista publicou comentários nos quais acusou os assessores de serem funcionários fantasmas e se referia ao esquema como "rachadinha".

Em depoimento prestado como testemunha, uma assessora parlamentar disse que Reiner tratou os funcionários com desdém. Segundo ela, a repercussão das publicações na cidade causou situações de constrangimento e questionamentos da população.

Em sua defesa, o jornalista afirmou que a página no Facebook, denominada "Somos de Tatuí", estava prejudicando a imagem do Integração. Ainda de acordo com ele, os administradores do perfil são ligados a Peixoto.

O procurador da República Rubens José de Calasans Neto, que assina o parecer, não constatou qualquer crime no texto jornalístico, mas somente críticas à atuação do parlamentar, com base nos gastos com assessores.

Além disso, para ele, não foi demonstrado o "dolo específico de caluniar o querelante" nos comentários na internet. Reiner estaria apenas se defendendo de ofensas a publicações na página no Facebook e teria citado a palavra "rachadinha" de forma genérica.

Calasans ressaltou que, para ocorrer calúnia, "é necessário que sejam apontados fatos concretos que imputem a determinada a pessoa a prática de um determinado crime".

No caso, o jornalista teria apenas exercido sua livre manifestação de pensamento. O "ânimo de ofender a honra alheia" não se confundiria com a "exteriorização de descontentamento político".

Clique aqui para ler o parecer
5001313-88.2020.4.03.6110


José Higídio é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 11 de junho de 2022, 11h42

Nenhum comentário:

Postar um comentário