Nosso Jornal Online

Tatuí, 

PUBLICIDADE

ANUNCIE AQUI

Peça já seu orçamento
e-mail para publicidade@diariodetatui.com

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Medicamentos de alto custo fornecidos pelo Estado têm novo corte

Mais 14 itens deixam de ser fornecidos – Greve da Furp compromete distribuição de 49 remédios considerados essenciais

A Secretaria de Estado da Saúde anunciou, nesta semana, novo corte no fornecimento de medicamentos do Programa de Alto Custo. O problema afeta centenas de cidades paulistas e também trará reflexos em Tatuí. Desta vez, ainda mais grave já que a Furp (Fundação para o Remédio Popular) tem funcionários em greve desde o final de maio.

No início de março, o primeiro corte na liberação de remédios foi anunciado pelo Governo do Estado. Mais de 40 itens foram suspensos. Dos 70 medicamentos fornecidos pelo programa, apenas 29 foram mantidos, entre eles, leites especiais e insulinas especificas. Agora, mais 14 itens irão gerar desfalque.

Cerca de 1.800 pacientes estão cadastrados no programa, segundo o cadastro do Assistência Social. A lista inclui drogas usadas para diferentes tipos de doença, como colesterol, asma, doenças pulmonares, catarata, osteoporose. Os medicamentos que não estão sendo entregues são: azatioprina 50 mg, calcipotriol, desmopressina, neocate, isotretinoina 10 mg, masalazina 400 mg, pravastatina 20 mg, vigabatrina 500 mg, cabergolina, donepezila 5 mg, formoterol 12 mg, lamotrigina 50 mg, metotrexato 25mg/ml e sulfassalazina 500 mg.

O secretário municipal de Saúde, Umberto Fanganiello Filho, Tuta, lembra que a greve da Furp reduzirá também a distribuição outros medicamentos considerados básicos, que devem ser distribuídos pelo estado, como antibióticos, anti-hipertensivos, analgésicos, anti-inflamatórios e medicamentos para controle de glicemia. Segundo informações preliminares, cerca de 49 itens já não estão sendo fornecidos regularmente. “Estamos nos desdobrando, reforçando estoques e otimizando a distribuição para tentar suprir esse grave problema. Contamos com a colaboração e a consciência da nossa população, já que compete ao estado e não ao município fornecer esses medicamentos”, explicou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário