Boletim de informações COVID-19 n° 708 Tatuí, 20 de janeiro de 2022, quinta-feira - 11h00h

23.497 CASOS CONFIRMADOS VÍRUS SARS-COV-2
22.032 PACIENTES RECUPERADOS
462 ÓBITOS CONFIRMADOS
1.003 INFECTADOS EM TRATAMENTO
349,42 MÉDIA MÓVEL INFECTADOS / DIA

Fonte: Prefeitura de Tatuí

sábado, 30 de outubro de 2021

Expressões e comportamentos são formas dos animais se comunicarem com humanos, diz veterinária

Segundo profissional de Tatuí, quanto mais um animal convive em um ambiente familiar e se sente acolhido, maior será a sua capacidade de se comunicar.

Por Rafaela Zem*, g1 Itapetininga e Região, com edição do DT

Fabiana Loureiro tem 16 cães e sete gatos — Foto: Fabiana Loureiro/ Arquivo Pessoal

28/10/2021 |  A chef de cozinha Fabiana Loureiro, moradora de Itapetininga (SP), tem duas grandes paixões: a culinária e seus animais de estimação. Atualmente, ela dedica parte da vida cuidando de 15 cachorros e sete gatos, sendo que a maioria deles foi resgatada das ruas.

Apesar do número, Fabiana contou ao g1 que consegue distinguir a necessidade de cada um por meio comportamento e da expressão deles.

"Eu acredito muito que eles possuem uma comunicação própria, por isso, sei claramente se eles estão com fome, se querem passear ou simplesmente brincar", afirma a chef de cozinha.

Cachorros se comunicam com humanos por gestos — Foto: Ana Camargo Barros/Arquivo pessoal

Além da comunicação dos animais com seus tutores, Fabiana contou que também acredita que os cães e gatos entendem algumas mensagens dos humanos.

"Eu converso com eles e percebo que essa é uma forma de mantê-los mais alegres. Quando eu me mudei, tive receio de atrapalhar os vizinhos, por isso eu criei alguns comandos. Quando meus cachorros começam a latir, eu grito 'pare', ou só com o olhar de reprovação eles param de fazer barulho", explica.

Foto: Fabiana Loureiro/ Arquivo Pessoal

Assim como Fabiana, muitas pessoas acreditam que os animais sabem se comunicar e até conversam com seus pets.

De acordo com a veterinária Ana Camargo Barros, de Tatuí, esse comportamento é bastante comum e pode fazer muito bem aos bichinhos de estimação. Segundo ela, quanto mais um animal convive em um ambiente familiar e se sente acolhido, maior será a sua capacidade de se comunicar.

"Existem estudos que comprovam que um cão doméstico apresenta semelhanças e até a mesma capacidade que uma criança de 2 anos tem em se comunicar. Por isso, acredito realmente que essa atividade de conversar com o seu animal de estimação é importante", conta Ana, que é veterinária há mais de 30 anos.

Foto: Matheus Arruda/ Arquivo Pessoal

Ao g1, Ana Camargo ainda disse que a prática de falar com os pets também é muito presente nos consultórios veterinários, como forma de agilizar os diagnósticos.

Para a veterinária, os animais podem até não entender a comunicação verbal dos humanos, mas o tom de voz e os gestos ajudam a transmitir as mensagens. Em contrapartida, segundo a veterinária, os animais podem transmitir mensagens por meio de sons, gestos, expressões e comportamentos.

"Esse condicionamento é muito comum entre cães, gatos e até equinos. Todos os animais que convivem frequentemente com humanos podem desenvolver pequenas formas de comunicação", afirma a veterinária.

*Colaborou sob supervisão de Júlia Nunes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário