Boletim de informações COVID-19 n° 708 Tatuí, 20 de janeiro de 2022, quinta-feira - 11h00h

23.497 CASOS CONFIRMADOS VÍRUS SARS-COV-2
22.032 PACIENTES RECUPERADOS
462 ÓBITOS CONFIRMADOS
1.003 INFECTADOS EM TRATAMENTO
349,42 MÉDIA MÓVEL INFECTADOS / DIA

Fonte: Prefeitura de Tatuí

quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Composições autorais de Gui Silveiras serão apresentadas nesta sexta-feira (22)

Apresentação será pelo canal do Museu Paulo Setúbal no YouTube.

Gui Silveiras é um músico versátil e eclético que passeia por diversos estilos. (Foto: Luciana Bortoline)

20/10/2021 |  Parte integrante do “1º Festival de Arte e Cultura de Tatuí” – promovido pelo Museu Histórico “Paulo Setúbal”, o Projeto “Bate Tambô – Gui Silveiras Solo” será apresentado nesta sexta-feira (22/10), às 20h, no canal do Museu no Youtube (https://bit.ly/3je7Khd).

Com o intuito de difundir canções autorais nascidas em solo tatuiano, este Projeto é um show on-line gravado, no formato voz e violão, onde o músico e compositor Gui Silveiras apresenta uma série de composições de sua autoria. Ele busca em suas raízes a ancestralidade dos tambores africanos e o tempero latino-americano, mesclando ritmos como Ijexá, Aguerê, Jongo e Maculelê com as canções autorais e adaptando os ritmos para o formato voz e violão. Inspirado nos toques dos tambores, o repertório passeia por “pontos e cantigas” de matrizes afro, reverenciando nossa ancestralidade, e com o intuito de difundir e aproximar a riqueza milenar do universo afro-latino ao cotidiano das pessoas. De acordo com o proponente do Projeto, o “Bate Tambô” é uma viagem musical por nossas origens e raízes.

Gui Silveiras – Compositor e instrumentista formado no renomado Conservatório de Tatuí, Gui Silveiras é um músico versátil e eclético que passeia por diversos estilos e formações instrumentais com fluência e musicalidade.

Em 2012 foi premiado pelo PROAC-SP e lançou seu primeiro trabalho autoral, o álbum “Caburé”. Desde então, vem participando de diversos festivais pelo Brasil e exterior. Em 2016 ganhou o prêmio de melhor arranjo no Festival Botucanto (Botucatu) e, dois anos depois (2018), foi premiado nos festivais FEM (Rio Preto), Festival Nacional MPB (Ilha Solteira) e Prêmio Lollo Terra de MPB (São Miguel Arcanjo). No ano de 2019 foi premiado nos festivais FEMA (Araraquara), FEMP4 (Passa Quatro/MG) e Prêmio Lollo Terra de MPB (São Miguel Arcanjo). Depois, em 2020, ganhou um prêmio no Festival de MPB de Ilha Grande/RJ.

Com carreira internacional, Gui Silveiras já se apresentou em festivais no Uruguai, na Itália, na França e na Alemanha. Em sua trajetória, dividiu o palco com grandes nomes da música brasileira, tais como: Hamilton de Holanda, Mônica Salmaso, Nelson Sargento, Tantinho da Mangueira, Arismar do Espírito Santo, Sergio Santos, Kiko Dinucci, Itiberê Zwarg, André Marques, Vinícius Dorin e o baterista Nenê. Além de seu trabalho autoral, Gui Silveiras atua em diversos projetos artísticos, entre eles o grupo “Vintena Brasileira”, com o qual gravou dois CDs: “Bituca” (2014) e “(r)existir” (2018); e o grupo “Firma o Ponto”. Como compositor, teve músicas gravadas e interpretadas por diversas cantoras, como a grandiosa Mônica Salmaso.

Além de manter a carreira artística, Gui Silveiras atua como professor e educador musical, com mais de 15 anos de experiência. É professor efetivo de guitarra na Escola Municipal de Música de Porto Feliz. Nos anos de 2019 e 2020 atuou com instrutor de teoria musical na Oficina Municipal de Música de Boituva. Gui também ministra aulas, de forma virtual, há mais de 5 anos, para alunos em diversos lugares do Brasil e do mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário