Boletim de informações COVID-19 n° 705 Tatuí, 17 de janeiro de 2022, segunda-feira - 11h00h

22.822 CASOS CONFIRMADOS VÍRUS SARS-COV-2
20.527 PACIENTES RECUPERADOS
461 ÓBITOS CONFIRMADOS
1.834 INFECTADOS EM TRATAMENTO
450 MÉDIA MÓVEL INFECTADOS / DIA

Fonte: Prefeitura de Tatuí

domingo, 2 de janeiro de 2022

Projeto Jovem Cientista da Ufscar Sorocaba recebe prêmio

Além de Tatuí, as cidades de Anhembi, Cesário Lange, Iperó e Salto de Pirapora são conveniadas à iniciativa.


INICIATIVA DÁ OPORTUNIDADE A CRIANÇAS DE BAIXA RENDA CHEGAREM À UNIVERSIDADE. (CRÉDITO: DIVULGAÇÃO)

29/12/2021 |  A Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), com projeto do campus de Sorocaba, foi a terceira colocada do Prêmio Péter Murányi 2021-22, edição Educação. O resultado foi divulgado em 17 de novembro. Mais de 200 iniciativas participavam da disputa.

O projeto Jovem Cientista, que foi inscrito no prêmio, surgiu em 2009 e o objetivo é a dar oportunidades para crianças de baixa renda. “O primeiro passo é dar oportunidade aos alunos de baixa renda, alunos de unidades de acolhimento chegarem à universidade. É a meta principal nossa. Então eles são alunos em situações de risco, em vulnerabilidade socioeconômica. A gente adota esses jovens, essas crianças. A ideia é levá-los para a universidade, de preferências as públicas”, disse o professor doutor Fábio de Lima Leite, um dos idealizadores do projeto.

“O segundo objetivo é transformar, dar uma nova perspectiva para esses alunos, uma perspectiva diferente do local, da situação em que ele vive, Dar uma chance, uma esperança para que ele realmente tenha um curso superior chegue à universidade e se torne um cientista”, explicou o professor.

Conforme Fábio, além de Tatuí, as cidades de Anhembi, Cesário Lange, Iperó e Salto de Pirapora são conveniadas à iniciativa. O projeto será estendido no ano que vem para as municípios de São Roque, Itu, Charqueada, Rio Claro, Salto, Sorocaba e Coronel Macedo. Outras cidades também já procuraram a instituição.

Além do professor Fábio, o projeto conta ainda com Ismail Barra Nova de Melo, Luiz Carlos de Faria, professores doutores, e os alunos Gabriel Rossetti e Mirela Gonçalves.

Ao menos 208 trabalhos de todo o Brasil foram inscritos. Os vencedores foram selecionados pelo júri formado por representantes de instituições nacionais e internacionais ligadas à área de educação, integrantes de universidades federais, estaduais e privadas, personalidades e membros da sociedade. O valor total do prêmio é de R$ 250 mil, divididos entre o vencedor (R$ 200 mil), o segundo colocado (R$ 30 mil) e o terceiro (R$ 20 mil). A cerimônia de entrega ocorrerá em abril de 2022.

O projeto Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), promovida pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli/USP), foi o vencedor. A Unicamp ficou com a segunda colocação. A finalidade principal é promover, anualmente, a concessão de prêmio destinado a pessoa física ou jurídica, entidade particular ou pública, de qualquer parte do mundo, que mais tenha se destacado na descoberta ou progresso científico, que beneficie o desenvolvimento e bem estar das populações situadas abaixo do paralelo 20 de latitude norte, especialmente o Brasil. (Marcel Scinocca)

Nenhum comentário:

Postar um comentário