Boletim de informações COVID-19 n° 677 Tatuí, 08 de dezembro de 2021, quarta-feira - 11h00h

18.448 CASOS CONFIRMADOS VÍRUS SARS-COV-2
17.976 PACIENTES RECUPERADOS
458 ÓBITOS CONFIRMADOS
14 INFECTADOS EM TRATAMENTO
4,14 MÉDIA MÓVEL INFECTADOS / DIA

Fonte: Prefeitura de Tatuí

terça-feira, 16 de novembro de 2021

Nossa Trupe Teatral, de Tatuí, participa de festival regional de teatro gratuito em São Roque

Grupo tatuiano apresenta o espetáculo 'Treis causo e o resto é prosa' no dia 4 de dezembro (sábado), às 12h, no Centro Cultural Brasital.

Por Thaís Marques, com edição do DT

16/11/2021 |  A terceira edição do "Festão", o Festival Regional de Teatro, que acontece dos dias 03 a 05 de dezembro, em São Roque, reunindo apresentações de grupos teatrais de várias cidades da Região Metropolitana de Sorocaba. Com certeza é uma ótima oportunidade para prestigiar os artistas da nossa região em um evento totalmente gratuito e recheado de muita cultura, arte e talento.

O interior de São Paulo é palco de muitos talentos e, para celebrá-los, nada melhor do que uma grande festa cultural com 25 apresentações teatrais para divertir e presentear o público, e, o melhor, tudo de graça. Esse é o “Festão”, um festival regional de teatro itinerante que está na sua 3ª edição. Neste ano, o evento acontecerá no Centro Educacional Cultural Brasital, em São Roque, nos dias 03, 04 e 05 de dezembro, reunindo artistas de 14 cidades da Região Metropolitana de Sorocaba.

O objetivo é fomentar a cultura cênica da região, promover a criação de um grande corredor cultural entre os municípios e a troca de experiências entre os artistas e o público. Este ano, pela primeira vez, o “Festão” terá uma verba adquirida, concedida pela Lei Aldir Blanc, através de um prêmio recebido pelo histórico de realização em teatro de Lisa Camargo [foto], produtora e diretora artística da Companhia de Eros de São Roque.

“Nos dois primeiros festivais, tivemos o apoio do Senac e das Prefeituras de Sorocaba e Pilar do Sul, mas aconteceu sem nenhuma verba e os grupos vinham com o seu próprio recurso. Dessa vez, como eu tinha um projeto pronto e tinha esse edital de Prêmio de Produção de Realização em Teatro, apresentei o meu histórico que é forte, já que estou desde a década de 90 trabalhando nesse meio. Para a minha surpresa, passei na primeira chamada”, conta Lisa, a proponente do “Festão”.

Para a realização do evento, as apresentações serão divididas de duas formas: serão 24 espetáculos com cerca de 45 minutos de duração e, também, exibições mais curtas, com 15 minutos, chamadas de Cabaré.

Hamilton Sbrana, um dos coordenadores do festival e diretor da companhia Camarim, de Sorocaba, explica que o formato foi pensando para auxiliar os artistas, pois muitos precisaram parar de ensaiar durante a pandemia.

“Quando fomos conversar com os grupos da região, muitos deles disseram que não tinham tempo de preparação, foi o que aconteceu com o meu grupo. Nós estávamos indo com um espetáculo que não ia ficar pronto em dezembro, então, optamos por um fragmento, por um espetáculo com uma duração menor”, explica Hamilton.

Já o grupo Escarafuchar, de Pilar do Sul, vai mostrar ao público um espetáculo mais longo. A ideia da companhia é valorizar ainda mais os trabalhos locais e, dessa forma, apresentarão uma adaptação do conto “O Executor”, escrito pela poeta, professora de língua portuguesa e jornalista, Geni Alves, que também é do município.

“A nossa paixão é adaptar textos não teatrais para o teatro, principalmente os contos. Essa apresentação é baseada em uma obra de uma escritora aqui da cidade, e fala sobre a questão de ser presa na vida. O nosso trabalho foi trazer esse conto como pano de fundo para falar sobre várias lembranças, experiências dos próprios atores e atrizes e memórias, então, é um espetáculo que mexe muito com as emoções das pessoas, por ser muito afetivo”, conta Guto Carvalho, diretor do grupo teatral Escarafuchar.

O diretor também é coordenador regional do “Festão” e acredita que o festival é uma forma de unir os grupos, resgatar e fortalecer a cultura no interior. “A Região Metropolitana de Sorocaba possui 27 municípios e, em muitos deles, não há grupos de teatro ativos. Com a pandemia, alguns se desfizeram, então esse trabalho é muito bacana para entender em qual situação cultural, mais especificamente teatral, a nossa região se encontra”, ressalta.

Mesmo com a liberação das restrições do Estado de São Paulo, o “Festão” seguirá todos os protocolos de segurança, como número limitado de pessoas nas apresentações em espaços internos. Para assistir aos espetáculos, será necessário chegar com uma hora de antecedência para garantir o lugar.

Rede de Teatro

O Festival de Teatro Itinerante “Festão” nasceu a partir da Rede de Teatro, um grupo criado em 2018, com o desejo de reunir e trocar experiências entre os artistas do teatro e do circo da Região Metropolitana de Sorocaba.

Com isso, representantes de grupos teatrais começaram a ter reuniões mensais a fim de discutir questões de interesse da classe artística, como a situação da cultura na região e a representatividade dos grupos no interior, para, assim, desenvolver ações envolvendo o público.

“O desejo é que a gente pudesse ver o que o outro artista, na linha do teatro e circo, está trabalhando e realizando aqui no interior. Apesar de estarmos com uma cidade colada ao lado da outra, não conseguimos ver o trabalho dos outros e, com isso, nesse primeiro momento, surge o ‘Festão’”, explica José Simões, professor de teatro e um dos idealizadores do projeto.

Agora, o próximo desejo da Rede de Teatro é criar um corredor cultural entre as cidades e consolidar não só o “Festão”, mas, também, outros festivais e espetáculos. “Nós esperamos, no futuro, consolidar uma rede de vários pontos em que possa acontecer a troca entre artistas e espetáculos, pois, desde a sua origem até agora, o que vem se consolidando é o espaço da troca e do aprendizado”, ressalta Simões.

Treis causo e o resto é prosa


Programação

Sexta-feira – 03 de dezembro

8h30 – Abertura

19h: Aos (entes) queridos - Coletivo Narciso de São Roque (Sala Multiuso) | Classificação: 14 anos

20h: Sob o azul do céu - Companhia Clássica de Repertório de Sorocaba (Núcleo de Música) | Classificação: 14 anos

CABARÉ

21h20: Jocasta, mãe da humanidade - Trupé de Teatro de Sorocaba (Sala Multiuso) | Classificação: 12 anos

21h40: Experimento cênico de palhaces - Núcleo Aclowdemia de Palhaçaria de Sorocaba (Sala Multiuso) | Classificação: Livre

Sábado – 04 de dezembro

10h: Contando histórias - Companhia Liber D’art de Ibiúna (Núcleo de Música) | Classificação: Livre

11h: Auto da compadecida - Grupo Theatron de Mairinque (Sala Multiuso) | Classificação: Livre

12h: Treis causo e o resto é prosa - Nossa Trupe Teatral de Tatuí (Núcleo de Música) | Classificação: Livre

CABARÉ

13h: O caipira e a fiscar - Grupo Teatral Tapanacara Mutatis Mutandis de Itapetininga (Sala Multiuso) | Classificação: Livre
13h15: A menor monção do mundo - Grupo de Teatro Arapuca de Porto Feliz (Sala Multiuso) | Classificação: Livre
13h30: Nem tudo são rosas - Silvana Sarti de Sorocaba (Externo) | Classificação: Livre
13h50: As peripécias da corte de lá - Grupo Teatral Gente de Quem? de Cerquilho (Sala Multiuso) | Classificação: Livre

15h15: O inferno são os outros - Teatro Escola Mário Pérsico de Sorocaba (Núcleo de Música) | Classificação: 16 anos
16h15: O que os pássaros carregam - Camarim Cia de Teatro de Sorocaba (Sala Multiuso) | Classificação: Livre
16h45: Alegria – o auto do circo - Nativos Terra Rasgada de Sorocaba (Externo Arena) | Classificação: Livre
18h: O abrigo da besta - Companhia Imediata de Teatro de Sorocaba (Núcleo de Música) | Classificação: 12 anos
19h: Pés – dos tempos que a calçada de terra guardou, como passar e sentir - Grupo de Teatro Escarafunchar de Pilar do Sul (Sala Multiuso) | Classificação: Livre
20h: Sobre viventes - Companhia de Opinião de Salto (Externo) | Classificação: 12 anos

CABARÉ
21h: Ôtovinu - Cia 2 e Meio e Palhaço Fusquinha de Sorocaba (Externo) | Classificação: Livre

21h15: Cerotinho - Coletivo Cê de Votorantim (Sala Multiuso) | Classificação: Livre
21h30: Memorar: uma história contada por um pangaré caduco? - Lelis Andrade de Mairinque (Sala Multiuso) | Classificação: Livre
22h: Opinião conta Dandaras - Coletivo Uma de Nós de Sorocaba (Núcleo de Música) | Classificação: Livre

Domingo – 05 de dezembro

09h40: Dublagem com a boneca pig - Grupo Teatral Lange de Cesário Lange (Sala Multiuso) | Classificação: Livre
10h: O céu é a lona - Circo Guaraciaba de Votorantim (Arena) | Classificação: Livre
11h: Cortejo da Folia - Companhia de Eros de São Roque (Arena) | Classificação: Livre
12h: Roda de Conversa

Serviço
Datas: 03, 04 e 05 de dezembro
Local: Centro Educacional e Cultural Brasital
Endereço: Avenida Araçaí, 250, Vila Aguiar, São Roque/SP
Evento gratuito

Nenhum comentário:

Postar um comentário