Nosso Jornal Online

Tatuí, 

PUBLICIDADE

ANUNCIE AQUI

Peça já seu orçamento
e-mail para publicidade@diariodetatui.com

sábado, 14 de maio de 2016

PREFEITURA DEVOLVE GESTÃO DA SANTA CASA À PROVEDORIA

Hospital quer aumentar através de atendimentos particulares e de convênios – Tratativas com plano de saúde já começaram.


A Prefeitura encerrou na quinta-feira, 12, o período de requisição da Santa Casa de Misericórdia de Tatuí. Em ato simbólico, realizado no Paço Municipal, o prefeito José Manoel Correa Coelho, Manu, assinou o decreto 17.207, devolvendo o comando do hospital filantrópico à nova provedoria recentemente eleita, declarando o fim do estado de emergência no setor hospitalar instituído no dia 27 de janeiro. A expectativa inicial é que essa fase preliminar de ajustes durasse pelo menos um ano.

O município conseguiu em tempo recorde equacionar os problemas administrativos pontuais. Impediu o fechamento da entidade no momento de sua mais grave crise. Regularizou e manteve em dia o pagamento de médicos e funcionários. Avançou ainda em questões estruturais revitalizando o Centro Cirúrgico e criando o Ambulatório de Ortopedia, que conta hoje com serviço de última geração, com equipamento de raio-X digital presente nos mais importantes e prestigiados hospitais do país, como Albert Einstein, Sírio Libanês e Beneficência Portuguesa.

A medida permite ainda que a Santa Casa possa voltar a receber doações, realizar procedimentos particulares e celebrar novos convênios, aumentando, consequentemente, a arrecadação do hospital. Com a requisição, essas operações não eram permitidas e o município deveria arcar exclusivamente com todas as despesas, tendo como respaldo apenas os repasses do SUS (Sistema Único de Saúde).

E as negociações para atração de novos convênios já começaram. A COOPUS Planos de Saúde que tem sede em Campinas e atua no mercado desde 1993 é uma das interessadas. A empresa conta com uma rede de cobertura de 70 hospitais, 200 clínicas e mais de 1500 médicos. Parcerias como essa, que devem ser estendidas também a outras bandeiras e ao Iamspe (Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual), projetam receita extra, no prazo de um ano, de aproximadamente R$ 5 milhões.

Os funcionários públicos municipais continuam cedidos ao hospital a pedido da nova provedoria, eleita no dia 15 de abril, a partir de votação direta entre os associados. A chapa única, escolhida por aclamação, na verdade é uma comissão que tem como integrantes Alexandre Novais, João Carlos Costa, Fernanda Rodrigues Laranjeira e Vera Lúcia das Dores. A direção permanecerá a cargo de Sandra Santos.

O prefeito Manu lembrou porém que o trabalho para salvar o único hospital público da cidade do fechamento começou ainda em julho de 2015, com a gestão compartilhada através da São Bento Saúde. “Evoluímos esse processo com a gestão plena e, em pouco mais de três meses, conseguimos salvar a Santa Casa do pior, da greve, do fechamento de suas portas. Essa nova provedoria mostrou disposição de aceitar o desafio e solicitou à Prefeitura o controle da gestão do hospital, para dar continuidade a esse trabalho. As metas agora são administrar o passivo que se arrasta há décadas e abrir o hospital para novos convênios e receitas, tornando cada vez mais independente do poder público. Manteremos o apoio irrestrito e o repasse de recursos para a entidade”, argumentou o prefeito Manu. 

Repasses recordes

A Santa Casa de Misericórdia de Tatuí receberá em 2016 o maior repasse de recursos de sua história. Serão mais de R$ 22 milhões só este ano. Os números foram detalhados pela Secretaria de Fazenda, Finanças e Planejamento. No total, R$ 6.008.719,69 são relativos a custeio e retaguarda dos atendimentos de especialidades, R$ 8.114.695,76 para subvenção do Pronto Socorro Municipal que é a porta de entrada do hospital, mais R$ 8.396.440.50 de recursos originários da contratualização com o Sistema Único de Saúde.

Os dados comparativos dos anos anteriores mostram a evolução de recursos destinados à Santa Casa. Em 2012, foram apenas R$ 11 milhões. Em 2013, R$ 12 milhões. Em 2014, o primeiro salto, R$ 17 milhões. No ano passado, novo recorde, R$ 20 milhões. E agora, serão R$ 22 milhões ao longo de todo ano, dos quais mais de R$ 6 milhões já foram creditados. A atual administração contabiliza R$ 71 milhões em repasses em quatro anos, ao passo que na gestão anterior, levando se em conta oito anos, apenas R$ 54 milhões foram destinados ao hospital.

Outro ponto detalhe importante é o percentual de investimentos. Enquanto em 2012, o município repassava 30% do valor total ao hospital e o SUS 70%; hoje o valor se inverteu. Assim como no ano passado, em 2016 o município repassará 64%, enquanto o SUS apenas 36%. Nesse comparativo, a atual gestão repassou R$ 42 milhões em quatro anos, enquanto a administração passada apenas R$ 17 milhões em oito anos – mais que o dobro, 147% a mais. “Estamos cumprindo nosso compromisso com a saúde. Em apenas quatro anos, dobramos o valor de recursos destinados ao hospital. Hoje, o município é protagonista. Não espera do Ministério da Saúde, faz a sua parte. Justamente, por isso, enfrentamos e estamos vencendo o desafio. A Santa Casa segue cada vez mais firme e de portas abertas”, finalizou Manu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário