10 anos


quinta-feira, 25 de julho de 2013

Saiba mais sobre Guinga

Carlos Althier de Souza Lemos Escobar, Guinga, nasceu no Rio de Janeiro e aprendeu violão intuitivamente aos 13 anos de idade. Mais tarde faria cursos de música, inclusive cinco anos de violão clássico com o professor Jodacil Damasceno. Começou a compor aos 16 anos, classificando a sua primeira canção aos 17 anos no Festival Internacional da Canção. Trabalhou profissionalmente, acompanhando artistas como Clara Nunes, Beth Carvalho, Alaíde Costa, Cartola, João Nogueira, entre outros. Formou-se em Odontologia em 1975. Sempre compondo, teve várias de suas músicas gravadas por nomes importantes: Elis Regina, Michel Legrand, Sérgio Mendes, Leila Pinheiro, Chico Buarque, Clara Nunes, Ivan Lins e outros. Suas composições são parcerias feitas com Paulo César Pinheiro, Aldir Blanc, Chico Buarque, Nei Lopes, Sérgio Natureza, Nelson Mota, Simone Guimarães, Francisco Bosco, Mauro Aguiar e Luis Felipe Gama. Gravou seis cds pela gravadora Velas. Seu disco \"Cheio de Dedos\" obteve o Prêmio Sharp 1996 - Melhor Disco Instrumental, Melhor Música Instrumental (Dá o pé o Loro) e Melhor Produção (Paulo Albuquerque). Teve sua obra gravada por Leila Pinheiro no CD \"Catavento Girassol\" (pela gravadora EMI - ODEON). As 14 faixas do CD são todas de autoria de Guinga em parceria com Aldir Blanc. A música \"Chá de panela\" rendeu a Guinga o Prêmio Sharp 1996 de melhor música popular brasileira. Apresentou-se vitoriosamente no exterior: Festival Brasiliana (Madrid 1993), Café Central (Madrid, 1996), Festival Internacional de Guitarra (Cordoba, Espanha, 1996), Festival Braziliana-Jazz (Copenhagen-Dinamarca, 1997). Apresentou-se ainda em Perugia (Itália), onde também gravou o CD “Graffiando Vento” com o clarinetista Gabriele Mirabassi, em homenagem à obra de Guinga. O CD \"Suíte Leopoldina\" (1999), foi sucesso absoluto de crítica, entre jornais, revistas e rádios de todo o país. Foi lançado nos Estados Unidos em 2000, mesmo ano em que teve sua biografia completa escrita pelo jornalista Mario Marques, no livro “Guinga, os mais belos acordes do subúrbio” (editora Gryphus). Em 2003, foi lançado na Bienal do Livro o songbook “A música de Guinga” (editora Gryphus). No mesmo ano, lançou seu sexto CD, Noturno Copacabana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário