Nosso Jornal Online

Tatuí, 


sábado, 21 de setembro de 2019

crônica | Wilson Rodrigues da Silva



Que o amor seja eterno!


"Uma vez amei, julguei que me amariam,
Mas não fui amado.
Não fui amado pela única grande razão -
Porque não tinha que ser"

(Fernando Pessoa)


Caminhando pelos túmulos do cemitério de באר שבע, deparei-me com diversos eternos moradores, com suas instalações, umas bem adornadas, umas em ruínas e outras...só o chão.

Foi quando veio até mim o senhor Ytzak BenShalomom, muito bem vestido com tradicional vestimenta de um judeu religioso. Sapatos bem gastos, calça marcando o vinco de muito bem passada, paletó muito bem alinhado em seu corpo, para fora se via o tsitsit, chapéu bem engomado. Sua face trazia uma expressão não muito visível pela longa barba com mexas grisalhas, aparentando ter seus 55 anos.

Cumprimentou com um "shalom" bem vigoroso. Sentamo-nos em um dos túmulos e disse que gostaria de desabafar. Naquele instante estava anestesiado, não identificava o delírio da realidade.

Uma vez amei uma mulher, entreguei-lhe o corpo e a alma. Construímos sonhos e destruímos realidades, fui seu por muitos anos. Passávamos o shabat sempre unidos. Quando ela acendia as velas sua alma resplandecia, seu sorriso enchia a casa, os malachim (anjos) vinham com alegria.

Com todos os anos juntos em laços de amor e prazer, julguei que estava sendo amado. Mesmo quando caí com enfermidade, cuidava de mim, zelando do seu amado. Via em seus olhos tremores de medo pedindo-me para nunca abandoná-la, seus lábios tocando os meus na tentativa de segurar por mais tempo, ainda sinto seus lábios molhados nos meus.

Mas não fui amado! Ser amado é quando se pode retribuir com os desejos que te impõem, é quando te pedem para ficar e você fica, é quando te seguram e você se retém. Não pude fazer nada disso! Deixei-a com seus sonhos inacabados, suas esperanças a serem conquistadas e seus desejos a serem realizados, os quais estavam em nossos planos para o curso da vida.

A única grande razão por não ser amado foi a arrogância, partir sem que seu beijo pudesse me prender, sem que seu olhar penetrante ao meu pudesse me agarrar, sem que suas lágrimas pudessem me afogar em seus sentimentos. Julguei pelo meu bem estar, seria melhor para mim, eu estaria em paz e deixando-a apenas com as lembranças do nosso amor.

Rompi o amor de uma mulher aos 50 anos de idade. A soberba, a arrogância e a falta de humildade me fizeram tombar em uma sepultura. Isso porque não tinha que ser amado! Tenho culpa em tudo isso. Queria ter mais tempo para deixar ser amado pela mulher que prometeu seu amor por toda a eternidade. Não seja tolo como eu fui, deixe ser amado eternamente!

Despediu de mim e entrou no túmulo no qual estávamos sentados, deixando uma frase no mármore empoeirado "Deixe ser amado por toda a eternidade, não despreze o amor de uma mulher"!

Wilson Rodrigues da Silva
Be'er Sheva – Israel, 06 de setembro de 2019
Revisão: PHEF

 באר שבע: Be'er Sheva, cidade de  Israel.
 Shabat: nome atribuído ao dia de descanso semanal no judaísmo, o sábado, simbolizando o sétimo dia em Gênesis, após os seis dias de Criação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário