Nosso Jornal Online

Tatuí, 

PUBLICIDADE

ANUNCIE AQUI

Peça já seu orçamento
e-mail para publicidade@diariodetatui.com

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Casos de raiva bovina chegam a 12 na região

Animais estavam nas zonas rurais dos municípios de Tietê, Avaré, Porangaba e Torre de Pedra. Defesa Agropecuária está percorrendo propriedades rurais onde os casos foram confirmados.

Por G1 Itapetininga e Região, editado pelo DT

Aumentaram os casos de raiva na região (Foto: TV TEM/Reprodução)

07/05/2018 - Os casos de raiva bovina passaram de quatro para 12 em menos de uma semana nas cidades da região. Os animais estavam nas zonas rurais dos municípios de Tietê, Avaré, Porangaba e Torre de Pedra.

Equipes da Defesa Agropecuária estão percorrendo as propriedades rurais onde os casos de raiva bovina foram confirmados. A intenção é fazer uma varredura em pelo menos 14 cidades da região e orientar os responsáveis sobre a importância da vacinação e como devem agir em caso de contaminação.

Desde de julho de 2017 não eram registrados casos da doença na região e aproximadamente 12 pessoas foram vacinadas porque tiveram contato com a saliva ou com o sangue de um animal que morreu com suspeita da doença, mas não houve casos contaminação em humanos.

Defesa Agropecuária confirma morte de quatro animais pelo vírus da raiva em Tietê

Transmissão

A raiva bovina é transmitida pelos morcegos hematófagos, aqueles que se alimentam de sangue de animais. Até o momento foram capturados mais de 100 morcegos dessa espécie na região. Estes morcegos podem atacar bois, vacas, cavalos e até animais domésticos.

De acordo com a Defesa Agropecuária, o animal geralmente não resiste e morre de quatro a seis dias depois de apresentar os sintomas de paralisação muscular, dificuldades pra respirar, salivação excessiva, dilatação das pupilas, desorientação, apatia e corrimento nasal.

A orientação é que sempre que algum animal apresentar os sintomas, o proprietário deve chamar um veterinário e avisar imediatamente a Defesa Agropecuária do município, já que um animal doente pode contaminar os outros.

Produtores devem ficar atentos aos sintomas dos animais na região. (Foto: TV TEM/Reprodução)

Nenhum comentário:

Postar um comentário