Boletim de informações COVID-19 n° 781 Tatuí, 24 de junho de 2022, sexta-feira, 11h00

9 PACIENTES HOSPITALIZADOS
299 INFECTADOS EM TRATAMENTO
13 DIAS SEM ÓBITOS
139 CASOS CONFIRMADOS EM 4 DIAS
38 MÉDIA MÓVEL DE CASOS POR DIA

Fonte: Prefeitura de Tatuí

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Projeto Música Orquestral Alemã realiza concerto em Tatuí no dia 26

O regente alemão Felix Krieger retorna a Tatuí para a última apresentação do projeto Música Orquestral Alemã no interior de São Paulo. Lyrical Andante for Strings, de M. Reger, Rückert Songs, de G. Mahler e Sinfonia nº5, de F. Schubert, serão as obras executadas pela Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí. A apresentação acontece na sexta-feira, dia 26 de outubro, às 20h30, no Teatro Procópio Ferreira. No dia 27, às 15h, o mesmo repertório irá compor o concerto no Sesc Itaquera, em São Paulo. Nesse programa, a cantora Carolina Faria será a solista convidada na peça de Mahler.

Segundo Felix Krieger, a obra Lyrical Andante for Strings, de Reger, foi escrita em 1897 apenas poucos anos antes de Mahler compor suas canções Rückert, em 1901. Um firme defensor da música absoluta, Reger viu-se como sendo parte da tradição de Beethoven e Brahms. “Seu trabalho muitas vezes combina as estruturas clássicas desses compositores com as harmonias estendidas de Liszt e Wagner, às quais ele acrescentou o contraponto complexo da música de Bach”. A música de Reger poderia ser considerada retrospectiva enquanto seguia as técnicas de composição clássicas e barrocas, embora tenha influenciado mais tarde importantes compositores alemães como Hindemith e Grabner.

Gustav Mahler, continua Krieger, atuou como uma “ponte” entre a tradição austro-alemã do século XIX e o modernismo do início do século XX. Mahler, considerado um dos maiores compositores de sinfonias, foi importante para os compositores da segunda escola vienense de Schoenberg, Webern e Berg, entre outros.

Ele compôs principalmente canções e sinfonias, com uma relação estreita e complexa entre as duas, além de trazer materiais de várias fontes para suas canções e obras sinfônicas. Cantos de pássaros e sinos de vaca para evocar a natureza e o campo, cornetas de fanfarras, melodias e danças de rua de seu país para resgatar o mundo perdido de sua infância. “Os desafios da vida são representados em humores contrastantes: o anseio de realização pelas melodias crescentes e harmonia cromática, sofrimento e desespero por dissonâncias, distorções e pelo grotesco. Em meio a tudo isso é marca particular de Mahler a constante intrusão de banalidade e absurdo em momentos de profunda seriedade”.

O autor da última obra do concerto, Franz Schubert, “foi claramente influenciado pelas formas das sonatas clássicas de Beethoven e Mozart”, explica Krieger. “Suas estruturas formais e seus desenvolvimentos tendem a dar mais a impressão de desenvolvimento melódico do que de drama harmônico”. Apesar da nova e específica atmosfera de sua música (o início da romantique époque na música e a importância do desenvolvimento melódico também em suas sinfonias) percebe-se que sua genialidade foi mais produtiva no Lied, que Schubert, gênero que deixou sua marca mais indelével. Schubert criou uma nova época com o Lied e todos os outros compositores tiveram de seguir os seus passos, assim como, muito mais tarde, o próprio Gustav Mahler.


Música Orquestral Alemã

A proposta do projeto Música Orquestral Alemã é a montagem de um panorama histórico sobre o desenvolvimento da música de concerto germânica ao longo de mais de 250 anos, do barroco ao período moderno, em sete diferentes programas e 13 concertos, no interior e na capital do Estado de São Paulo. Em todo o projeto serão realizados uma obra de cada um dos mais famosos compositores da cultura europeia central, como Haydn, Beethoven, Mozart, Handel, Gluck, entre outros.

Em todos os concertos, os compositores serão apresentados a partir do autor que o precedeu, mostrando como cada um representa uma influência a um compositor da geração seguinte. Todos os envolvidos - músicos e público – serão capazes de sentir e entender como a música orquestral alemã se desenvolveu. “Vamos descobrir juntos as conexões e desenvolvimentos entre os diferentes estilos e períodos e seremos capazes, também, de ouvir a criação de cada compositor e de cada época com novos ouvidos”, afirma o maestro Krieger.

Além da Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí, a formação do grupo conta com a participação de músicos monitores da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp) junto aos alunos da instituição tatuiana. Na presente etapa do projeto, formam o corpo de monitores o violinista Alessandro Borgomanero, o violista Ricardo Kubala, o violoncelista Tibô Delor, o contrabaixista Mauro Brucolli, o oboísta Arcádio Minczuk e o trompista Nikolay Alipiev.

O projeto “Música Orquestral Alemã” foi contemplado pelo Ministério da Cultura para receber benefícios da Lei Rouanet, e possui patrocínio do Banco Safra, Hamburg Süd Brasil, Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão, Allianz Seguros; promoção Goethe-Institut e co-realização SESC.


Serviço
Projeto “Música Orquestral Alemã”
Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí
Dia 26 de outubro de 2012 – sexta-feira – 20h30
Teatro Procópio Ferreira
Felix Krieger, diretor musical
Carolina Faria, solista
Informações (15) 3205-8444
Entrada Franca


Projeto “Música Orquestral Alemã”
Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí
Felix Krieger, diretor musical
Dia 27 de outubro de 2012 – Sábado – 15h00
SESC Itaquera
Endereço: Avenida Fernando Espírito Santo Alves de Mattos, 1000 - Itaquera - São Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário