Nosso Jornal Online

Tatuí, 

PUBLICIDADE


terça-feira, 30 de maio de 2017

Conservatório de Tatuí vence Prêmio Governador do Estado pelo voto popular

Foto: Studio90
Dib Carneiro Neto, Tião Carvalho e Felipe Hirsch são alguns dos escolhidos pela comissão julgadora; no voto popular, o Conservatório de Tatuí, finalista da categoria Música, foi o mais votado.

O Prêmio Governador do Estado para a Cultura anunciou, em cerimônia no Theatro São Pedro realizada na noite de 29 de maio, os vencedores da edição 2016. A iniciativa da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, criada como uma forma de valorizar e incentivar a produção cultural paulista, premiou artistas, coletivos e instituições em nove categorias: arte para crianças, artes visuais, cinema, circo, dança, música, teatro, territórios culturais e instituições culturais.

A artista plástica Renina Katz foi a grande homenageada do Prêmio Governador do Estado ao ser escolhida o “Destaque Cultural do Ano”. Carioca radicada em São Paulo, Renina dedicou grande parte de sua vida à gravura, gênero no qual é um dos ícones no Brasil. A artista plástica recebeu premiação no valor de R$ 100 mil em reconhecimento à sua trajetória e contribuição para a cultura brasileira ao longo de sua carreira.

O Secretário da Cultura do Estado, José Luiz Penna, abriu a cerimônia de entrega da premiação. “É uma grande satisfação voltar ao Theatro São Pedro, lugar do meu primeiro emprego, para entregar um prêmio do qual tenho muito orgulho. Em nome do Governador Geraldo Alckmin, reafirmo o compromisso de levar a cada dia mais longe a arte e a cultura do Estado de São Paulo”, afirmou o secretário, que, na sequência, entregou o troféu de “Destaque Cultural do Ano” a Pedro Farkas, afilhado de Renina Katz, que a representou na cerimônia.

No total, foram distribuídos R$ 580 mil em prêmios aos vencedores escolhidos pelo júri especializado, o que faz da premiação uma das maiores do país no segmento cultural. Além da premiação em dinheiro, no valor individual de R$ 60 mil, os vencedores escolhidos tanto pelo júri quanto pelo voto popular receberam um troféu exclusivo confeccionado pela artista Ana Maria Tavares.

A votação popular foi realizada no site www.premiogovernador.sp.gov.br e contou com 71,3 mil votos (a edição anterior contabilizou 56 mil).

Vencedores

Conheça os contemplados da edição 2016 do Prêmio Governador do Estado para a Cultura:

Escolhidos pelo júri especializado:

Arte para Crianças: Dib Carneiro Neto
Artes Visuais: Revista Artéria
Cinema: Adhemar Oliveira
Circo: Ermínia Silva
Dança: Projeto Mov_oLA (Alex Soares)
Música: Tião Carvalho
Teatro: Felipe Hirsch
Territórios Culturais: Instituto Periferia Ativa

Escolhidos pelo voto popular:

Arte para Crianças: Paidéia Associação Cultural
Artes Visuais: Revista Artéria
Cinema: Adhemar Oliveira
Circo: Circo de Teatro Tubinho
Dança: Corpo de Baile de Caraguatatuba
Música: Conservatório de Tatuí
Teatro: Os Satyros
Territórios Culturais: Associação Casarão da Mariquinha
Instituição Cultural (categoria eleita apenas por voto popular): Instituto Alana

Arte para crianças

Dib Carneiro Neto foi escolhido pela comissão julgadora. Um dos principais nomes do jornalismo cultural brasileiro, Dib Carneiro Neto acumula um amplo e profundo trabalho como crítico e pensador do teatro infantil ao longo das últimas três décadas. Desde meados de 2016, oferece seu conhecimento ao público no site “Pecinha é a vovozinha” (www.pecinhaeavovozinha.com.br), especializado em arte para crianças. O título é uma provocação ao uso comum de diminutivos para se falar sobre a linguagem. Na contramão desse preconceito, jornalista afirma que o teatro infantil “é uma arte maior feita para menores”.

Escolhido por votação popular com 71% dos votos, a Paidéia Associação Cultural realiza um trabalho perseverante e abrangente na formação artística de crianças e adolescentes. Fundada em 1998 por Aglaia Pusch e Amauri Falseti, a instituição foi criada com o objetivo de tornar a ação cultural protagonista da transformação da vida das pessoas e da comunidade. Hoje é um espaço cultural ativo que atende os jovens do entorno com um Núcleo de Vivência Teatral, com um Festival Internacional e por meio de aulas na EMEF Carlos de Andrade Rizzini.

Artes visuais

Revista Artéria foi a vencedora tanto pelo voto do júri especializado quanto pela votação popular com 43% dos votos. A publicação experimental e multidisciplinar começou a ser pensada por Omar Khouri e Paulo Miranda em 1974. Gradualmente atingiu a cidade de São Paulo e o restante do País, empregando poetas, artistas visuais, artistas gráficos, músicos e videoartistas, entre outros. Ao longo de sua trajetória, reuniu um amplo arco de talentos, que inclui desde Augusto e Haroldo de Campos até integrantes de gerações mais recentes, como Arnaldo Antunes e Tadeu Jungle. São quatro décadas da persistência na afirmação da qualidade da produção nascida da arte concreta.

Cinema

Adhemar Oliveira também foi o escolhido tanto pelo júri especializado quanto pelo voto popular com 38% dos votos. Diretor do Espaço Itaú de Cinema, começou a carreira nos anos 1980 como responsável pela programação do cineclube Bixiga, em São Paulo, e depois do Macunaíma e do Estação Botafogo, ambos no Rio de Janeiro. Atualmente é um dos executivos de distribuição e exibição mais respeitados no setor do audiovisual. Criou o conceito das salas arteplex, que mesclam a programação de filmes autorais com blockbusters, de maneira a tornar o negócio sustentável sem abrir mão de exibir trabalhos de maior valor estético do que comercial.

Circo

Ermínia Silva foi a vencedora pelo júri especializado. Erminia faz parte da quarta geração circense de sua família no Brasil. Após formar-se em História na Universidade Estadual de Campinas (1994), consolidou sua trajetória de estudos e pesquisas sobre as histórias do circo no Brasil. Defendeu a dissertação de mestrado sob o título “O Circo: sua arte e seus saberes”, em 1996, que se transformou no livro “Respeitável público... o circo em cena”. Sua contribuição acadêmica faz a interface entre a tradição circense, a transmissão de saberes e a memória do circo.

O Circo de Teatro Tubinho escolhido pela votação popular com 65% dos votos. Sediado em Bauru, o grupo é responsável pela atualização do repertório de circo-teatro tradicional e atua de forma expressiva na formação de plateia para a linguagem circense no interior do Estado de São Paulo. A trajetória artística da família Tubinho em circos de variedades começou em meados de 1918, quando os fundadores Juvenor e Lola se casaram. Eles trabalharam em várias companhias circenses até fundarem seu próprio circo em 1923, acompanhados pelos filhos Altamar, Brasilina e Juvenor. Atualmente o Tubinho é composto por 35 integrantes.

Dança

O Projeto Mov_oLA foi o escolhido pelo júri especializado. Idealizado em 2008 pelo coreógrafo e videomaker Alex Soares, o projeto se inspirou no conceito das antigas moviolas (máquinas que permitiram editar os filmes com a chegada do cinema sonoro, transformando as fotografias em movimento total), para integrar a dança com outros formatos digitais e redes sociais, por meio da internet, da videodança e de novas tecnologias. Com o apoio de um núcleo de artistas, divididos entre artistas associados e colaboradores para produções específicas, funciona como uma incubadora de projetos, sempre buscando propostas inéditas, com o intuito de fortalecer e agregar novas plateias para o cenário da dança contemporânea.

O Corpo de Baile de Caraguatatuba foi premiado pelo voto popular com 61% dos votos. Criado em 2001 pela Prefeitura de Caraguatatuba, o grupo participou dos principais festivais de dança do País ao longo de seu processo de amadurecimento técnico e artístico, tendo recebido diversos prêmios. Desenvolve trabalho profissionalizante com os intérpretes, dialogando com as diversas possibilidades na dança: clássica, contemporânea, folclore, percussão e teatro, convergindo na pesquisa e criação de novas composições coreográficas.

Música

Tião Carvalho foi o premiado nesta categoria pelo júri especializado. Radicado em São Paulo desde a década de 1980, o cantor, compositor e produtor maranhense da cidade de Cururupu desenvolve um trabalho artístico que vai muito além dos seus discos e espetáculos. Entre as atividades desenvolvidas pelo músico estão a direção do centro de estudo de danças populares Grupo Cupuaçu, a organização da Festa do Bumba Meu Boi no Morro do Querosene e ciclos de tambor de crioula. É também um grande estimulador do surgimento de novos grupos dedicados à cultura popular.

O Conservatório de Tatuí recebeu o maior número de votos pela votação popular: 10,4 mil votos (68% dos votos). Reconhecido como um dos mais importantes da América Latina e mantido pelo Governo do Estado de São Paulo, o Conservatório de Tatuí mantém mais de 2.300 alunos em 47 cursos gratuitos em suas unidades localizadas em Tatuí e São José do Rio Pardo. A escola forma instrumentistas, cantores, atores e luthiers, sendo procurada por estudantes de música de diversos países. Mantém grupos em diversas formações para aliar a prática pedagógica à difusão da música.

Teatro

Felipe Hirsch foi o escolhido pelo júri especializado. Colecionando mais de 150 prêmios e indicações ao longo de sua carreira, o diretor juntou no palco atores de diversas nacionalidades em “A tragédia latino-americana”, primeira parte da obra concluída em seguida com “A comédia latino-americana”. As peças oferecem uma profunda reflexão sobre a realidade do continente a partir de textos literários. Em cena, os atores constroem e reconstroem o cenário a partir de enormes blocos de isopor que vão se desintegrando ao longo das apresentações, ao som de música tocada ao vivo.

Os Satyros foi o vencedor da votação popular com 78% dos votos. A companhia foi fundada em 1989 por Ivam Cabral, que hoje dirige a SP Escola de Teatro, instituição mantida pelo Governo do Estado de São Paulo, e Rodolfo García Vázquez. No primeiro ano de existência, Os Satyros receberam o Troféu APCA de melhor ator (Ivam Cabral) e atriz coadjuvante (Rosemeri Ciupak), além da indicação ao Prêmio Mambembe de melhor texto (Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez) pelo trabalho de estreia “Aventuras de Arlequim”. Mas foi em 1990, a partir da montagem “Sades ou Noites com os Professores Imorais”, que a companhia se tornaria nacionalmente conhecida. Sua trajetória é marcada pela pesquisa estética conectada com personagens cotidianos da metrópole.

Territórios Culturais

O Instituto Periferia Ativa foi o selecionado pelo júri especializado. A organização não-governamental criada e gerida pelo grupo do rapper Negredo, promove a cultura e a educação no bairro do Capão Redondo, zona sul de São Paulo. Entre suas atividades, oferece à comunidade oficinas de leitura, aulas de vídeo e de web, brinquedoteca e a biblioteca Nego Du.

A Associação Casarão da Mariquinha foi a escolhida pelo voto popular com 59% dos votos. Instalada num imóvel histórico no centro de Mogi das Cruzes, a associação promove projetos dedicados à preservação da memória cultural da cidade. Assim, coloca em diálogo o patrimônio material e imaterial, proporcionando aos seus frequentadores experiências artísticas e culturais amplas. O nome do espaço é uma homenagem à Maria de Souza Mello, a Dona Mariquinha, mãe do proprietário do casarão e um dos gestores do espaço, João Camargo.

Instituição Cultural

Única categoria eleita somente por júri popular, o Instituto Alana foi o vencedor da noite, com 30% dos votos da categoria. Dedicado à promoção de ações que buscam a vivência plena da infância, o Instituto mantém há mais de 20 anos o Espaço Alana, no Jardim Pantanal, na zona leste da cidade de São Paulo. No local, a instituição realiza atividades voltadas à promoção do lazer, cultura e fortalecimento comunitário. Entre as ações realizadas no espaço estão a vivência musical e a biblioteca, onde são realizadas mediações de leitura, brinquedoteca e articulação comunitária.

Nenhum comentário:

Postar um comentário