Boletim de informações COVID-19 n° 472 Tatuí, 13 de maio de 2021, quinta-feira - 11h00h

11.629 CASOS CONFIRMADOS VÍRUS SARS-COV-2
10.961 PACIENTES RECUPERADOS
292 ÓBITOS CONFIRMADOS
376 INFECTADOS EM TRATAMENTO
75,85 MÉDIA MÓVEL INFECTADOS / DIA

Fonte: Prefeitura de Tatuí

quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Trator furtado em Tatuí há dois anos é recuperado no Paraná

Este é o quinto trator de origem ilícita vendido pela mesma empresa e recuperado pela polícia



27/10/2020 | Policiais Civis de Santo Antônio do Sudoeste (PR), com apoio da Delegacia de Ampére (PR), apreenderam na manhã desta terça-feira, 27, na cidade de Bela Vista da Caroba (PR), mais um trator com registro de furto ocorrido no interior de São Paulo.

Segundo consta do Boletim de Ocorrência registrado em Tatuí, em julho de 2018, dois tratores foram furtados de uma propriedade rural no município, sendo que um deles foi trazido para Santo Antônio do Sudoeste e revendido por uma empresa de venda de máquinas agrícolas desta cidade.

Em 2018 foi desencadeada a Operação Roda Livre, que apreendeu cerca de 34 tratores furtados ou roubados, sendo aquela empresa fechada e seu proprietário preso.

A história parece se repetir em Santo Antônio, pois esta é a segunda empresa envolvida neste tipo de crime e este já é o quinto trator de origem ilícita vendido por esta empresa e recuperado pela polícia. Vários tratores vendidos pela empresa estão sendo investigados, portanto, o número de tratores de origem ilícita ainda poderá aumentar consideravelmente, tal qual ocorreu com a primeira empresa investigada.

“Este é um crime grave e que precisa ser reprimido de forma rápida e enérgica, pois trata-se de uma perigosa organização criminosa, especializada em furtar ou roubar tratores de agricultores e revendê-los para outros agricultores na cidade de Santo Antônio e região, deixando as famílias das vítimas sem condições de prover o próprio sustento. É triste ter que se dirigir para propriedades rurais e apreender tratores de pessoas inocentes, que foram ludibriadas por criminosos que visavam unicamente o lucro, porém, não se pode olvidar que do outro lado uma outra família foi vítima de um crime, não restando outra alternativa senão a apreensão e devolução do bem aos legítimos proprietários”, afirmou o Delegado que preside as investigações, Dr. Émerson Ferreira.

O agricultor que estava na posse do trator não foi autuado por receptação, pois, no entendimento do Delegado, ele não tinha como saber da origem ilícita do bem, sendo também vítima dos criminosos.

Já o dono da empresa investigada, que já respondia a outro inquérito pelo mesmo crime, agora terá que explicar a origem do trator comercializado e responderá a mais um procedimento criminal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário