Nosso Jornal Online

Tatuí, 

PUBLICIDADE

ANUNCIE AQUI

Peça já seu orçamento
e-mail para publicidade@diariodetatui.com

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Caso Juliana: menina desaparecida em Tatuí pode estar com outra família, diz delegado

Hipótese foi criada durante investigação; garota sumiu no começo do mês.

Caio Gomes Silveira, do G1 Itapetininga e Região

Juliana Soares Conceição de 10 anos sumiu após sair para brincar (Foto: Reprodução/ TV TEM)

A garota de 10 anos que desapareceu depois que saiu de casa para brincar, no jardim Santa Rita, em Tatuí, pode estar vivendo com outra família, diz o delegado responsável pelo caso, Agnaldo Ramos, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) em Itapetininga. A hipótese foi criada após informações obtidas na investigação, disse ele ao G1 nesta sexta-feira (18). Juliana Soares Conceição está desaparecida desde 6 de novembro, segundo a família.

“Tenho esperança que ela esteja bem com outra família. Não podemos revelar os detalhes da investigação, até porque, por enquanto, não temos nada concreto de onde ela possa estar. Todas as informações que recebemos estamos checando a vericidade. Por isso a importância da imprensa em divulgar a foto dela. Caso alguém a veja pode ligar para o disque denúncia 197 ou Polícia Militar 190”, diz Ramos.

Ainda conforme o delegado, outras hipóteses de crimes também estão sendo investigadas. "Nada está sendo descartado".

Nesta sexta-feira, a Polícia Civil e o Corpo de Bombeiros foram a um matagal onde um grupo de moradores procurou sem sucesso pela menina na quarta-feira (16). Esse local, às margens do Rio Tatuí no Bairro Santa Rita, foi vasculhado por moradores que usaram cães farejadores das guardas civis municipais de Itu e Sorocaba.

“A associação do bairro pediu a ajuda e conseguiu com que equipes desses cães os usassem nas buscas pela menina. Como não podemos descartar nenhuma possibilidade, minha equipe, a Polícia Civil de Tatuí e o pessoal dos bombeiros foram lá procurar também”, explica o delegado. Até o fim da tarde desta sexta nada foi encontrado.

Equipes da polícia e bombeiros procuraram no local (Foto: Divulgação/ Polícia Civil Tatuí)

Enquanto as respostas não chegam, a angústia da mãe da garota, Ilzoneide Soares da Silva, só aumenta. “Amanhece e lembro que está faltando uma pessoa em casa. Choro bastante. Saudade demais. Ela nunca sumiu. Quando ela sai para brincar ela avisa. Angústia sem fim”, lamenta.

Investigação / A Polícia Civil já analisou imagens de uma câmera de segurança de uma casa que mostram a menina conversando com um rapaz momentos antes de sumir. O homem informou à polícia que conhece a garota e que ela costuma brincar com a irmã dele, segundo a polícia. Contudo, disse também que estava só passando pela rua e nega qualquer tipo de contato. “Descartando essa hipótese porque testemunhas viram a criança em outro local depois já sem a presença do rapaz”, conta o delegado.

Ainda segundo a polícia, um morador encontrou peças de roupas queimadas, na madrugada de 11 de novembro, em um terreno baldio localizado no bairro vizinho onde ela mora. A suspeita é de que as roupas sejam da criança e passarão por perícia. O laudo ainda não foi divulgado.

Equipes foram guiadas por cães farejadores até matagal (Foto: Reprodução/ TV TEM)

Entenda o caso / Segundo a mãe de Juliana, Ilzoneide Soares da Silva, a filha saiu com os outros três filhos dela, de 13, 9 e 6 anos no domingo para brincar na rua onde vivem, a Rua Pedra Ribeiro Abrame, no Bairro Santa Rita. No entanto, apenas ela não retornou para a casa.

“Eles foram brincar em frente de casa, como sempre fazem. Eu fiquei em casa com o meu outro filho, que tem deficiência física. Mas eles sempre brincam na rua de casa, nunca saem longe. Os irmãos dela falaram que não viram quando a Juliana sumiu, porque estavam brincando de bola. Não viram quando ela desapareceu. Só peço para Deus para encontrá-la. Isso nunca tinha acontecido e estamos todos angustiados", diz.

A mãe diz estar desesperada sem a falta de informação da filha. "Quero minha filha de volta. Eu tento me manter firme. É o que tenho que fazer, mas está difícil, pois não encontramos nada."

Choro bastante, diz mãe da criança, Ilzoneide Soares da Silva (Foto: Reprodução/ TV TEM)

Nenhum comentário:

Postar um comentário