Boletim de informações COVID-19 n° 126 Tatuí, 02 de junho de 2020 - 11h

173 CONFIRMADOS
124 RECUPERADOS
10 ÓBITOS
22 SUSPEITOS
1 ÓBITOS SUSPEITOS

Fonte: Prefeitura de Tatuí

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Sala São Paulo sedia concerto dos 60 anos do Conservatório de Tatuí

Apresentação da Orquestra Sinfônica e Coro Sinfônico do Conservatório de Tatuí é gratuita na segunda-feira, 29
Trechos da Ópera “L’Elisir d’Amore”, de G. Donizetti, compõem o repertório a ser apresentado por dois importantes grupos do Conservatório de Tatuí na noite de segunda-feira, 29. A Orquestra Sinfônica e o Coro Sinfônico – que levam o nome do Conservatório de Tatuí – têm concerto especial a partir das 21h na Sala São Paulo, na capital. O Conservatório de Tatuí é uma instituição do Governo do Estado de São Paulo e Secretaria de Estado da Cultura. Os ingressos são gratuitos e podem ser retirados na bilheteria da casa de espetáculos.

Os grupos se unirão para as comemorações dos 60 anos da maior escola de música, luteria e artes cênicas, com participação de cinco solistas. O concerto tem regência dos maestros João Maurício Galindo (da Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí) e Cadmo Fausto (do Coro Sinfônico do Conservatório de Tatuí).

Participam da apresentação de trechos da ópera, os solistas Camila Titinger, Jean William Silva, Johny França, Pedro Ometto e Taiane Ferreira Gomes. Dos solistas especialmente convidados, com carreiras consolidada, Taiane é aluna do Conservatório de Tatuí.

Os ingressos para assistir ao espetáculo podem ser retirados na bilheteria da Sala São Paulo, de até sexta-feira, das 10h às 18h, ou até o início do concerto na segunda-feira, 29. O endereço é a praça Júlio Prestes, 16, tanto para a Bilheteria Boulevard (andar térreo) como para a Bilheteria Estacionamento (localizada no 1º subsolo). Mais informações sobre o espaço são fornecidas pelo fone (11) 3223-3966.
O concerto é uma das ações a marcar os 60 anos da única instituição mantida pelo Governo de São Paulo a funcionar seis décadas sem nenhuma interrupção. Nesse período, a escola formou milhares de músicos, atores e luthiers que, hoje, atuam em todo país e exterior.

Este é o primeiro concerto totalmente organizado pelo Conservatório de Tatuí na Sala São Paulo.

A Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí foi criada em 1985 para dar suporte à performance dos estudantes da área de cordas sinfônicas da instituição. O grupo é formado por professores e alunos bolsistas, dando a estes últimos a oportunidade de oferecer uma ampla experiência do repertório sinfônico e também uma antevisão de um possível ambiente de trabalho.

A Orquestra do Conservatório de Tatuí possui uma bagagem artística invejável. Recebe regularmente diversos regentes consagrados, como Roberto Tibiriçá, Felix Krieger, Abel Rocha, Aylton Escobar, Rodrigo de Carvalho e Gottfried Engels. Dentre os solistas estão Arnaldo Cohen, Gilberto Tinetti, Alex Klein, Antonio Lauro Del Claro, Fabio Cury, Tatjana Vassiljeva, Rosana Lamosa, entre muitos outros.

De caráter pedagógico, a orquestra também realiza uma série de concertos didáticos cujo objetivo é fomentar o contato com a música clássica, principalmente entre as crianças das escolas públicas.

Há 11 anos, o grupo tem João Maurício Galindo à frente como regente titular. Considerado um dos melhores maestros brasileiros da atualidade, ele cumula experiência como regente da Orquestra Amazonas Filarmônica, da Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo, e mastro convidado frente a muitas outras, como a Sinfônica de Campinas, Sinfônica do Paraná, Petrobrás Sinfônica do Rio de Janeiro, Filarmônica de Belgrado, Sinfônica de Bari (Itália) e Orquestra Sinfônica de Roma. Foi também regente da Orquestra de Alunos dos Festivais de Campos do Jordão em 1998, 2000 e 2002.

Fundado em 1988, o Coro Sinfônico do Conservatório de Tatuí é formado por cerca de 30 alunos bolsistas e professores-monitores da instituição. O grupo oferece aos estudantes uma ampla experiência do ambiente profissional voltado para a atividade coral.

O Coro Sinfônico vem realizando apresentações importantes de repertório a capella, de música brasileira, repertório sinfônico e óperas. Uma das características marcantes do grupo é o destaque dado à interpretação cênica das músicas.

O grupo é regido por Cadmo Fausto, que iniciou atividades musicais aos oito anos de idade, ao piano. Premiado em diferentes concursos de piano, estudou no Conservatório de Tatuí, Escola Municipal de Música de São Paulo (na classe de composição de Osvaldo Lacerda) e concluiu bacharelado em piano na Universidade São Judas Tadeu na classe de Maria José Carrasqueira.

É mestre em Educação, pela Universidade de Sorocaba e soma atuações variadíssimas e cursos de regência coral com vários regentes internacionais. Atualmente, trabalha com coros mistos, feminino, da terceira idade e infantis.



SOLISTAS

Jean William, que acaba de lançar o CD “Dois Atos”, é apaixonado desde cedo por música e extremamente dedicado aos estudos. Formou-se em música pela ECA-USP, ainda estudante, participou dos mais importantes festivais do Brasil, dentre eles, o Festival Internacional de Campos do Jordão. Apoiado pelo maestro João Carlos Martins, desde 2009, apresentou-se como solista em palcos como a Sala São Paulo e Avery Fisher Hall, no Lincoln Center de Nova York, recebendo elogiosa crítica. Como bolsista do projeto VOCALIA viveu e frequentou aulas em Milão com grandes nomes do cenário lírico como Davide Rocca, Luciana Serra, Umberto Finazzi, entre outros.

O cantor de 28 anos fala fluentemente inglês, espanhol, italiano e francês, o que lhe permite apresentar-se nos mais renomados palcos nacionais e internacionais, destacando-se no cenário artístico e cantando a frente de importantes orquestras e grupos no Brasil e em países como Emirados Árabes, EUA, Itália, Portugal, Suíça e Argentina.

Desde 2012, faz temporadas de concertos e recitais dentro e fora do país, tendo estreado inclusive uma opera moderna pelo teatro Comunale de Vicenza (Itália) recebendo calorosa recepção do programa Ridotto Del Ópera da Rádio Suíça italiana.

Após a estreia nacional, em junho de 2014, no Auditório Ibirapuera-SP; de cantar para o Papa Francisco, na recente Jornada Mundial da Juventude; da apresentação no Metropolitan Museum de Nova Iorque, agora segue em turnê por vários estados brasileiros.



Camila Titinger

Participou de programas como Raul Gil, Eliana, Serginho Groisman, Programa Livre, Hebe, Mais Você, Tele Apae. Aos 10 anos, foi a primeira cantora mirim selecionada pelo diretor Wilton Franco para o elenco fixo do Programa Gente Inocente da Rede Globo. Em dezembro de 1999, se apresentou com o Coral Infantil Eco, na peça Carmina Burana, no Teatro Municipal de São Paulo. Participou do show com Família Lima na sala São Paulo. Em março de 2000, cantou no III Prêmio Ayrton Senna de Jornalismo e no mesmo ano recebeu o Prêmio de Revelação do Ano, na Fundação Cultural das Artes Nancy Miranda. Em 2001, lançou pela Gravadora Caravelas, com produção de Beto Paciello, seu primeiro trabalho “Sol de Primavera”, com arranjos de craques como Cristóvão Bastos, o mesmo de Nana Caymmi e Gal Costa, no qual interpreta músicas inesquecíveis como “O Caderno” (Toquinho/Mutinho), “Paisagem na Janela” (Lô Borges/Fernando Brant), “Depende de Nós” (Ivan Lins/Vitor Martins) e “Deixa Chover” (Guilherme Arantes). Ainda em 2001, participou do Projeto do Banco ABN AMRO BANK com o cantor e compositor Guilherme Arantes. Antes de lançar seu próprio CD, Camila emocionou o Padre Marcelo Rossi, com quem gravou a música “Reis dos Reis” e gravou uma das faixas do CD Terra Nostra II. Chegou a ser uma das doze semifinalistas entre mais de dois mil inscritos no V Prêmio Visa MPB Edição Vocal, um dos maiores prêmios da Música Popular Brasileira. Camila era a mais jovem participante e interpretou músicas como “Luiza” e “Chovendo na Roseira” de Tom Jobim, “Ave Maria no Morro” de Herivelto Martins, “Beatriz” de Edu Lobo e Chico Buarque e ainda “Marambaia” de Henricão e Rubens Campos. Também atuou e cantou como integrante da peça o vale encantado de Oswaldo Montenegropela oficina dos menestréis com direção de Deto Costa.Por dois anos consecutivos, fez parte do coro juvenil- OSESP- Sala São Paulo. Em 2010, foi vencedora do Maestro Carlos Gomes – Concurso Estímulo para cantores líricos, como melhor voz feminina. Em seguida foi convidada para fazer um recital em comemoração aos 109 anos da CCLA (centro de ciências, letras e artes). Em 2010, fez participações como solista do coral da Unesp, com regência de Vitor Gabriel. Em 2013, venceu o Concurso Brasileiro de Canto Maria Callas, como soprano Je dis que rien ne m’epouvante – Carmen – Bizet, Prêmio Personagem GILDA, Prêmio especial de Público e Prêmio Especial Teatro della Fortuna de Fano (Ítalia). Foi a única Brasileira selecionada para o concurso de No – Stirner. Também no ano de 2013, participou da Ópera Rigolett, de Giuseppe Verdi, em comemoração ao Bicentenário de nascimento do compositor, Liberto de Francesco Maria Piave com base em Le Roi s`Amuse de Victor Hugo; de As Bodas de Fígaro no Pocket ópera como Condessa; do concerto da Orquestra Sinfônica de Sorocaba como solista na sala FUNDEC. Também esteve na Alemanha, participando do concurso Gutersloh e foi uma das finalistas do Concurso Prelúdio da TV Cultura junto ao Maestro Júlio Medaglia, realizada na Sala São Paulo.

Johnny França

Iniciou seus estudos de canto com o tenor Antônio Lotti. Participou como solista da 9ª Sinfonia de L. van Beethoven no Colégio Rudolph Steiner de São Paulo. No Festival Eleazar de Carvalho foi solista do Réquiem de W. A. Mozart, realizado na Catedral da Sé de Fortaleza. Participou de espetáculo com seleções de “Porgy and Bess” de G. Gershwin, sob direção de Carlos Harmuch na Oficina Cultural Oswald de Andrade. Sob regência de Emiliano Patarra, participou de produções de “A Viúva Alegre” de F. Léhar , “Carmen” de G. Bizet e La Cenerentola de G.Rossini. Ingressou no Ópera Estúdio da Escola de Música do Estado de São Paulo, onde realizou diversos Pocket Óperas sob direção de Mauro Wrona, interpretando Marcello na ópera “La Bohéme” de G. Puccini, Fígaro em “Le Nozze di Figaro” de W. A. Mozart e Einsenstein em Die Flerdemaus de J. Strauss. Sob regência do maestro Roberto Duarte participou da estreia da opera “ O Menino e a Liberdade” de Ronaldo Miranda no personagem “ Chofer”. Vencedor do 12º Concurso Brasileiro de Canto Maria Callas premio de interpretação do personagem “Fígaro” em “IL Barbiere di Seviglia G. Rossini. Sob Orientação vocal Walter Schamum. Além de ser integrante da Academia de Opera Theatro São Pedro onde vem realizando concertos e operas.

Pedro Ometto

Pedro Ometto nasceu em São José dos Campos, interior de São Paulo, em 25 de abril de 1985. Forma-se bacharel em Música com habilitação em Canto Lírico pela Unesp, em 2009.

Barítono, apresenta-se regularmente em papéis protagonistas de óperas, como em “O Feiticeiro” e “Pinafore”, de Gilbert & Sullivan; “Rita” e “Viva la Mamma”, de Donizetti; “Orfeu no Inferno”, de Offenbach; “Der Mond”, de Carl Orff; “Moscou, Tcheryomushky”, de Shostakovich; entre outras.

Teve aulas de técnica vocal com o tenor Benito Maresca, além de ter tomado parte em masterclasses com renomados cantores nacionais e internacionais, como Fernando Portari, Rosana Lamosa, Michael Chioldi, Mara Zampieri e Juan Pons.

Fez sua estreia no teatro musical, em 2010, na montagem brasileira de "Into the Woods". Na sequência, participou de "Evita", com direção de Jorge Takla, fazendo parte do coro e de ator substituto de Daniel Boaventura.







SERVIÇO

Orquestra Sinfônica e Coro Sinfônico do Conservatório de Tatuí

Segunda-feira, dia 29 de setembro, 21h00

Concerto especial em comemoração aos 60 anos da instituição

Solistas: Camila Titinger, Jean William Silva, Johnny França, Pedro Ometto e Taiane Ferreira Gomes

Entrada franca

Retira de ingressos na bilheteria da Sala São Paulo a partir desta quarta-feira, dia 24



SALA SÃO PAULO

Praça Júlio Prestes, 16

Bilheteria Boulevard - andar térreo

Bilheteria Estacionamento - 1º subsolo

Telefone: (11) 3223-3966

Nenhum comentário:

Postar um comentário