Nosso Jornal Online

Tatuí, 


sábado, 2 de fevereiro de 2019

poesia | Ana Moraes

Lama com fome


A lama célere e sedenta
Partiu no silêncio, barrenta,
O coração de uma cidade,
De um mundo, de uma humanidade

A lama engoliu tudo
Sonhos, famílias, felicidades
Quase nos deixou mudos
Se não fossem nossas vontades

Destemida, insaciável e voraz
Consumiu todo o Feijão
Tirou desse Vale a paz
Sem mesmo pedir permissão

O verde que vinha ciliando
O belo rio Paraopeba
Agora, negro se tornou, bradando
A dor dessa enorme alquebra

Sua fome não foi suficiente
Para engolir nossa preciosidade
Sobressai em formas diferentes
A esperança, mesmo com saudade

Sepultados sem funeral
Jazem o rio e os corpos perdidos
Quem reparará tamanho mal?
Somente Deus, o enaltecido

Quem será que deixou
A lama com fome ficar?
Na avareza, condenou
Para somente enricar

Desde já, junto ao dinheiro
Em bolsos guardarão
Esse peso por inteiro
No lugar da sofreguidão

A.M.O.R.

(Ana Moraes de Oliveira Rosa)

Nenhum comentário:

Postar um comentário