Nosso Jornal Online

Tatuí, 

PUBLICIDADE

ANUNCIE AQUI

Peça já seu orçamento
e-mail para publicidade@diariodetatui.com

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Sem carros novos há 2 anos, policiais de SP têm de fazer patrulhamento a pé



REPÓRTER DIÁRIO - O governo de São Paulo comprou apenas 51 carros para as Polícias Civil e Militar do Estado nos últimos dois anos. Segundo policiais, o desgaste da frota e o atraso na renovação – todo ano uma parcela dela deve ser renovada – estão afetando o trabalho, principalmente em cidades do interior, como Campinas. Por lá, a redução da frota obrigou os policiais a ampliar o policiamento a pé. Em Tatuí, as rondas passaram a ser feitas em conjunto com a Guarda.

Dados obtidos pela reportagem, por meio da Lei de Acesso à Informação, mostram que na atual gestão de Geraldo Alckmin (PSDB) as compras de viaturas despencaram. No triênio 2012-2014, a PM paulista havia recebido 4.943 carros (média anual de 1.647) e 1.817 motos novas (média de 605 por ano). A partir de 2015, e até maio deste ano, o total de carros comprados foi de 1.231 e o de motos, 1.043. A situação é ainda pior na Polícia Civil, que no triênio 2012-2014 comprou 2.239 viaturas – dessas, 708 foram entregues em 2015 – e não adquiriu nenhuma nova depois. Juntas, as duas polícias têm 24 mil carros.

O governo informou, por meio da Secretaria da Segurança Pública, que pretende investir R$ 75 milhões neste ano para a compra de 150 carros a um custo de R$ 12 milhões para a Polícia Civil e 828 veículos para a PM, um investimento de R$ 63 milhões. “Tenho recebido muitos pedidos de prefeitos e vereadores do interior de reposição de viatura. Em Cesário Lange e outras cidades da região, as viaturas são de 2009 e 2010. Considerando que uma viatura roda 24 horas, não preciso dizer o estado”, diz o deputado estadual coronel Telhada (PSDB), da Comissão de Segurança da Assembleia Legislativa.

Desgaste

Com vida útil média de cinco anos, os carros de patrulhamento têm alto grau de desgaste. Prova disso é o fato de só a PM registrar 700 acidentes com viaturas por mês. Ela é ainda obrigada a enviar a oficinas cerca de 2 mil veículos – mais de um décimo da frota de 14,9 mil – para consertos mensais. “Tem aumentado em muito o gasto de manutenção. Não seria melhor ter um carro zero? A PM ainda procura manter um nível de manutenção. A situação está ruim, principalmente no interior”, diz Telhada.

Em alguns casos, segundo o deputado delegado Olim (PP), presidente da Comissão de Segurança Pública, policiais têm de tirar do bolso o dinheiro para consertar viaturas. No caso da Polícia Civil, o problema maior ainda é a falta de pessoal – de 2012 a 2016, o total de policiais civis diminuiu 9,2%. “Viatura até tem, mas não tem gente para trabalhar. Hoje o Garra (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos) está trabalhando com três, quatro viaturas com dois policiais (por turno). É uma vergonha”, afirma Olim.

De acordo com ele, a Polícia Civil nos últimos anos recebeu “viaturas Hilux, caríssimas”. “São maravilhosas, mas quero ver quando começarem a quebrar. A arrecadação do governo caiu em maio, e o policial ganha R$ 3 mil por mês. Como vai fazer para pagar o conserto de um farol dessas viaturas caras se quebrar? Vai ter de consertar as Blazers antigas para rodar. Falta planejamento. Um dos helicópteros da Polícia Civil é de 1983. Vai ganhar placa preta, de colecionador”, diz Olim. A presidente do sindicato dos Delegados da Polícia Civil, Raquel Kobashi Gallinati, reforça a crítica. “As revisões são as feitas só no prazo de garantia do automóvel. Depois, o reparo é feito pelo policial e pago do seu bolso.”

Guardas Para contornar o déficit de viaturas, em muitas cidades a PM programa ações conjuntas com as guardas municipais. Em Tatuí, a integração foi objeto de reunião entre os comandos das duas forças no início do ano. Essas operações são realizadas até nos fins de semana. Sem previsão de reforço na frota estadual, a prefeitura abriu licitação para a locação de nove viaturas para a GCM.

A falta de carros afeta o policiamento também nas pequenas cidades. Em Pereiras, com 7,4 mil habitantes, no dia 24 a PM dispunha de apenas uma viatura para rodar – um veículo com mais de dez anos. O outro, mais novo, tinha baixado à oficina para reparo de um eixo. Em Alambari, de 5,5 mil habitantes, a PM também tem apenas uma viatura. Os moradores contam que, em abril, durante assalto a uma lotérica, os dois assaltantes fugiram porque a viatura estava em um bairro distante.
Gestão Alckmin diz que retomará aquisições

A Secretaria da Segurança Pública informou que a renovação da frota será retomada neste ano com a compra de 150 viaturas para a Polícia Civil e 828 para a PM. Mesmo assim, a média de compras ficará abaixo da registrada nos anos de 2012 a 2014.

Parte dos recursos para a compra – R$ 38 milhões – sairá do Tesouro e parte – R$ 37 milhões -, do Fundo de Incentivo à Segurança Pública. Desde 2011, segundo a secretaria, o Estado investiu R$ 522 milhões na compra de carros, motos e outros veículos para as polícias.

Ainda de acordo com a pasta, a vida útil de uma viatura depende da forma como ela é empregada. Os veículos das Forças Táticas têm vida útil de três anos e os de patrulhamento normal, de cinco anos. As bases comunitárias duram oito anos. Já os carros da Polícia Civil teriam uma vida útil, segundo a secretaria, de até 15 anos.

Em sua nota, o governo alega que a Polícia Civil recebeu 1.401 viaturas e a Militar, 2.719 veículos nos últimos dois anos. O número da secretaria, porém, agrega as compras de todos os tipos de carros, motos e veículos especiais. Ainda segundo o governo, Bauru, Campinas, Tatuí, Alambari, São José do Rio Preto e as demais cidades citadas na reportagem receberam viaturas novas em 2015 e 2016. Não foi especificado, porém, quantas nem se eram carros ou motos.

Excedente De acordo com a secretaria, existiria ainda um excedente de 24 viaturas no comando de Rio Preto, o que também seria o caso de Tatuí. Ourinhos e Itararé contariam com o número estipulado de viaturas. Por fim, a pasta informou que não se manifestaria “sobre o patrulhamento a pé em Campinas e sobre a alta quilometragem da frota”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário