Nosso Jornal Online

Tatuí, 


quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Chico Pereira receberá homenagem no Lar São Vicente no domingo

Ato acontece às 10h em frente ao Busto de Chico Pereira, no asilo

Chico Pereira, escultura de Cláudio Camargo

A Secretaria municipal de Esporte, Cultura, Turismo, Lazer e Juventude de Tatuí promove um ato em memória de Francisco Evangelista Pereira de Almeida, o Chico Pereira, neste domingo (12/08), às 10h, em frente ao monumento de Chico Pereira, instalado no Lar São Vicente de Paulo.

O ator e professor Pedro Couto interpretará Chico Pereira fazendo a leitura de parte do capítulo que Paulo Setúbal lhe dedicou. O Quarteto Bravo Tatuí realizará uma apresentação acústica e, depois, todos serão convidados para visitar o Memorial do Lar São Vicente de Paulo. O ilustre tatuiano foi um dos fundadores da Sociedade São Vicente de Paulo de Tatuí e se recolheu ao Lar no dia 18 de abril de 1938.

Para registar a memória de Chico Pereira, que foi imortalizado por Paulo Setúbal no Capítulo VI "O Homem mais Rico de Minha Terra", do livro "Confiteor", uma programação especial foi programada.

O 12 de agosto é oficialmente o "Dia de Chico Pereira". A data foi instituída pela Lei Municipal de nº 3.868, de 15 de setembro de 2006. Também em 2006 foi inaugurado seu busto nas dependências do Lar São Vicente de Paulo. O busto é uma obra do artista plástico tatuiano Cláudio Camargo, o mesmo autor das estátuas dos músicos da cidade.

O Lar São Vicente de Paulo completou, no último dia 1º, 113 anos de história. Sua sede foi fundada em 1938, sendo a sexta sede na cidade, e que este ano também faz 80 anos de história, oferecendo inclusão social, saúde e bem-estar.

Chico Pereira - Nasceu em Tatuí no dia 27 de dezembro de 1857. Filho de Antônio Pereira de Almeida e de Maria Francisca de Almeida.

Fez os estudos primários em Tatuí e, a seguir, estudou no Convento do Carmo, em Itu, onde teve a instrução normal em conjunto com ensino religioso. Quando deixou o colégio, após perder seu pai, foi morar com sua irmã Aninha, em um sítio próximo a cidade de Pereiras, onde se dedicou à lavoura.

Com apenas 14 anos de idade, já trabalhava no comércio. Por volta de 1880 era professor particular de meninos. Pela bondade inata, em breve reuniu ao redor de si todas as crianças e adultos do bairro. Desde criança Chico Pereira praticava a caridade, visitando os pobres e os enfermos e oferecendo assistência. Confortava-os espiritualmente, ao mesmo tempo em que os socorria pecuniariamente, à medida de suas necessidades.

Dedicou-se também à profissão de tanoeiro. Foi escrivão da coletoria e escrivão de vara. Estudou e foi a São Paulo prestar exame, recebendo carta de professor de Palácio. Durante 10 anos foi professor do primeiro grupo escolar de Tatuí, o "João Florêncio". Lecionou por cinco anos no segundo Grupo Escolar de Tatuí. Encerrou sua vida no magistério no Grupo Escolar do Bairro Santa Cruz, onde aposentou-se em 20 de outubro de 1921.

Chico Pereira foi uma personalidade singular que dedicou toda sua existência à prática do bem, da caridade e da religião. Homem de presença discreta e firme. Homem de fé, que sensibilizou a todos que o conheceram.

Foi um dos fundadores da Sociedade São Vicente de Paulo, de Tatuí, em cujo asilo se recolheu em 18 de abril de 1938. Nesse local, imediatamente conquistou os velhinhos, com sua voz baixa de quem reza. Com seu jeito conciliador, de quem evita o dissabor. Era líder porque transmitia a fé, a coragem, a serenidade de quem não se apressa e que não se desvia do rumo traçado.

Faleceu em 12 de agosto de 1944. Sua vida e sua história foram consagradas nas páginas do livro "Confiteor", de Paulo Setúbal, seu aluno. Essa obra foi o último trabalho do autor. Em "Confiteor", Paulo Setúbal, em um trecho, descreve assim o mestre: "Ele é um simples, um humilde, um apagado professor de escola primária. Foi meu primeiro professor. Seu Chico morava na mesma rua em que eu morava. A casa dele, lembro-me bem, era uma casinhola baixa, pintada de azul, com uma porta e duas janelas, modestíssima. Tinha dentro uma desguarnecida varanda telha-vã e uma das pobres alcovas atijoladas e tristes. Nessa casa, todas as manhãs, à hora do almoço, entravam uns homens maltrapilhos, pé-no-chão, que viviam pela cidade ao deus-dará. Todas as tardes também, à hora do jantar, outros homens, igualmente maltrapilhos, igualmente pé-no-chão, entravam silenciosos por aquela casinhola adentro. Iam até a cozinha. Aí havia uma comprida mesa de peroba, enegrecida e nua, onde se enfileiravam toscos pratos de folha, seu Chico dava de comer aos bandos esmolambados... Os enterros que viam da roça, à falta de lugar apropriado, passavam pela sua casa. Lá numa pequena sala, removidos ligeiramente os moveis, o caixão passava a noite. E junto Chico Pereira - com o morto, pessoas que entravam e saiam, velas que eram acesas e se consumiam. Seu Chico sacrificava mais uma noite de sono, unicamente para fazer um ato de caridade". Enfim, este foi Chico Pereira, um homem simples, porém único em sua grandeza espiritual.

Em março de 1970, foi inaugurado em Tatuí o Grupo Escola Ginásio "Chico Pereira", em sua homenagem. No Museu Histórico "Paulo Setúbal" está exposta a Arca de Madeira que pertenceu ao professor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário