Boletim de informações COVID-19 n° 126 Tatuí, 02 de junho de 2020 - 11h

173 CONFIRMADOS
124 RECUPERADOS
10 ÓBITOS
22 SUSPEITOS
1 ÓBITOS SUSPEITOS

Fonte: Prefeitura de Tatuí

sábado, 29 de agosto de 2015

Empresário diz que cria 17 casais de sacis em sítio: 'Eles aprontam muito'

Edson Wagner é integrante da Associação Nacional dos Criadores de Saci.
Porangaba também possui a lenda da maldição de 100 anos de uma cigana.

Do G1 Itapetininga - Mito para alguns, verdade para outros. A existência do saci é um mistério, mas em Porangaba (SP) o empresário do ramo agropecuário Edson Wagner, de 52 anos, acredita que cria 17 casais do personagem folclórico mais famoso do Brasil no próprio sítio. Ele chega até a afirmar que eles têm cerca de um metro e 20 centímetros de altura. "Também vivem na mata e protegem a fauna e a flora", acredita. Mas, no caso dos ilustres "moradores", ressalta que "aprontam muito”. No último sábado (22), foi comemorado o Dia do Folclore. 

Dono de uma propriedade rural no Bairro dos Lopes, Wagner é o representante na cidade da Associação Nacional dos Criadores de Saci (ANCS), que existe em Botucatu (SP). A entidade atua desde 1980. Ainda de acordo com Wagner, antigamente havia muito mais sacis na região de Porangaba. Ele acredita que o crescimento dos municípios afastou as lendas, como a do saci, e que não podem mais ser localizadas nas áreas urbanas.

O empresário até explica por que ele acredita que não é tão fácil encontrá-los. “Eles não gostam de luz, só vivem na escuridão. Por isso só são encontrados no campo”, justifica. E os sacis que Wagner diz que cria são diferentes dos comuns, que são conhecidos nas lendas como pererê, que andam com a perna direita. Ele tem certeza que, na região de Porangaba, eles são da “espécie" siriri, que só possuem a perna esquerda.

Para Wagner, até a captura dos sacis é "muito trabalhosa" e, quando encontrados, eles precisam ser guardados em recipientes para não fugir. “O pessoal pede para eu pegar e mostrar. Eu coloco os sacis em garrafas, mas eles são invisíveis e só aparecem dentro de sete dias, sete semanas ou sete meses. No entanto, as pessoas não têm paciência de esperar e abrem o frasco antes do tempo. Assim, os sacis fogem”, descreve ele sobre a impossibilidade de se achar com "facilidade" os personagens folclóricos.

Maldição antiga
Os moradores de Porangaba também contam que existe outra lenda na cidade. A história dita é a de que existia uma cigana que amaldiçoou o município há mais de 100 anos no leito de morte. “Existe essa lenda de que a personagem faleceu em 1895 e que a cidade foi praguejada por ela”, relata o secretário de Cultura, Elias Marques.

Entretanto, de acordo com a história, a maldição só duraria um século e após o período a cidade conseguiria se desenvolver. O coveiro Mauro de Oliveira Garcia revela que sempre ouviu esse conto e comemora o fim da praga jogada pela cigana. “Já venceu o prazo, agora Porangaba está em uma boa hora para desenvolver”, finaliza. (Foto: Reprodução/TV TEM)

Um comentário:

Paulo Rezende Prudente disse...

Em Itajubá Mg também temos alguns criadores de Sacis. Nao concordo com a prática, afinal eles tem o direito de viver livres.
Edson Wagner, parabéns pelo apoio ao folclore!

Postar um comentário