PUBLICIDADE

Boletim de informações COVID-19 n° 167 Tatuí, 12 de julho de 2020 - 11h

628 CONFIRMADOS
533 RECUPERADOS
29 ÓBITOS
145 SUSPEITOS
33 HOSPITALIZADOS

Fonte: Prefeitura de Tatuí

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

Grupo do Conservatório de Tatuí participa de Mostra de Teatro da USP

Promovida pelo Teatro da USP (Tusp), a “2ª Mostra de Teatro Estudantil” acontece de 28 de fevereiro a 29 de março

Terror e Miséria, espetáculo convidado do Núcleo Bartolomeu (São Paulo), baseado em obra de Bertolt Brecht – Foto: Sérgio Silva /Divulgação/TUSP

Promovida pelo Teatro da USP (Tusp), a 2ª Mostra de Teatro Estudantil apresenta, entre 28 de fevereiro e 29 de março, nove grupos selecionados, além de convidados e oficinas. Há representantes da capital – ligados ao Departamento de Artes Cênicas da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, à Escola Superior de Artes Célia Helena e ao Teatro Escola Macunaíma – e do interior, a exemplo de grupos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e do Conservatório Dramático e Musical de Tatuí. Outros grupos vêm da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), da Universidade de Brasília (UnB) e da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Para René Piazentin, curador da mostra e orientador de Arte Dramática do Tusp, a grande novidade é a participação de grupos de outras cidades, representando um pequeno panorama da produção de fora do circuito paulistano que, segundo ele, é bastante forte na formação técnica. “Um exemplo é o próprio Conservatório de Tatuí, localizado bem próximo da capital”, cita.

Na abertura, no dia 28 de fevereiro, a mostra abre com o espetáculo convidado Terror e Miséria no Terceiro Milênio, do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos, com direção de Claudia Schapira, em que nove atores e dois DJs, enquanto esperam para entrar em cena, refletem sobre o quadro social e político atual, a partir de Terror e Miséria no Terceiro Reich, do dramaturgo alemão Bertolt Brecht (1898-1956). No dia seguinte, 29 de fevereiro, com reapresentação em 1º de março, Liberdade, Liberdade, de Millôr Fernandes e Flávio Rangel, com encenação da Escola Superior de Artes Célia Helena e direção de Fernando Nitsch, discute o tema à luz de textos históricos, em que 26 atores desvendam os mistérios da luta pela liberdade.

Entremeios (Unicamp), com direção de Matteo Bonfitto, é livremente inspirado no universo de Guimarães Rosa – Foto: Gabriel Góes/Divulgação/TUSP

Na semana seguinte, dias 4 e 5 de março, o Laboratório de Pesquisa e Estudos em Tanz Theatralidades (Lapett) do Departamento de Artes Cênicas da ECA, dirigido pela professora Sayonara Pereira, apresenta 1º de Abril, que redimensiona elementos da german dance, tendo como fio condutor diferentes ritmos musicais. Do Conservatório Dramático e Musical de Tatuí vem o experimento cênico Nós(otros), em que os atores desenvolveram, em processo colaborativo, sob direção geral de Flávio Melo, uma narrativa não linear para compreender os efeitos do tempo na vida humana, em particular sobre o tempo que conduz a vida para a morte e vice-versa (ou seja, a morte para a vida). As apresentações ocorrem nos dias 7 e 8 de março.

Nos dias 11 e 12 de março, a Escola Superior Célia Helena apresenta mais um espetáculo: Revolução na América do Sul: E agora José?. Com direção de Bete Dorgan, é baseado na saga de José da Silva, personagem de Augusto Boal, e faz uma reflexão bem-humorada sobre a realidade brasileira dos operários.

Os contos do escritor Guimarães Rosa serviram de inspiração para a montagem de Entremeios, do Coletivo Bandô de Teatro da Unicamp, com direção de Matteo Bonfitto, que materializa um amplo universo de seres ficcionais, explorando o caráter transitório da existência (apresentações dias 14 e 15 de março). Outra experiência teatral, Pandora, do Teatro Escola Macunaíma, com direção de André Haidamus, foi criado a partir de estudos cênicos performativos (dias 18 e 19 de março).

Dentro (Universidade de Brasília), com texto e direção de João Ricken, que brinca com o limiar entre o divertido e o perturbador – Foto: Marco Lopes /Divulgação/TUSP

Encerrando a mostra estão os três espetáculos vindos de fora do Estado de São Paulo. Dentro, com texto e direção de João Ricken e encenação da Cia. Truvação de Teatro da Universidade de Brasília, brinca com o limiar entre o divertido e o perturbador quando um relógio para e um homem acredita estar preso no tempo (dias 21 e 22 de março); Coro dos Maus Alunos, da Universidade do Estado de Santa Catarina, com direção de Barbara Biscaro e Heloise Baurich Vidor, baseado no texto do dramaturgo português Tiago Rodrigues, que tem como tema a escola, reflete sobre as relações de poder e as tensões que envolvem professores, alunos, diretores e pais (dias 25 e 26 de março); e De Onde Nascem as Margens, dirigido por Bya Braga, produção da Universidade Federal de Minas Gerais, também tem como mote a educação e o ambiente escolar.
Espetáculos convidados e oficinas

Vista por quase 20 mil pessoas em várias salas da capital paulistana, vencedora, entre outros, do Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) de Melhor Direção e sucesso de crítica, Gota D’Água (Preta) é o espetáculo convidado que sobe ao palco do Tusp no dia 20 de março, em um formato diferente, de “desmontagem”, como define Piazentin. Com direção de Jé Oliveira (um dos fundadores do Coletivo Negro) e Juçara Marçal (cantora do grupo Metá Metá), que também atuam como protagonistas, é uma ação artístico-pedagógica em que eles apresentam trechos de cenas e comentam o processo de pesquisa e de criação da peça baseada no original de Chico Buarque.

Le Monde, do grupo convidado Katharsis (Sorocaba), com produção e direção de Roberto Gill Camargo, dá continuidade ao Projeto Teatralidades Líquidas – Foto: Allyson Paes / Divulgação/TUSP

A mostra ainda traz outros dois espetáculos de grupos convidados. Um deles é Le Monde, com produção e direção de Roberto Gill Camargo, que retoma o estilo do grupo Katharsis, contemplado pela Lei de Incentivo à Cultura de Sorocaba com o Projeto Teatralidades Líquidas. Nessa peça, a tônica recai sobre os processos de controle (de mapas, senhas, câmeras de segurança), em que somos ao mesmo tempo livres e vigiados (dia 6 de março). O outro espetáculo é Slam Mulheres Plurais, com a escritora, militante feminista e apresentadora Mariana Felix, integrando as atividades da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP no Mês da Mulher (dia 27 de março).

Paralelamente, serão realizadas três oficinas, também gratuitas e abertas ao público. Aproximação ao Distanciamento de Bertolt Brecht, com a atriz, diretora e professora argentina Laura Brauer, que apresenta sua pesquisa em torno da linguagem brechtiana (9 a 13 de março); A Análise-Ação e as Ações Físicas: Uma Abordagem Prática, com o diretor, pedagogo teatral e tradutor Diego Moschkovich, acerca dos últimos anos do trabalho do diretor russo Konstantin Stanislávski (16 a 20 de março); e Composições Cênicas no Gesto Ensaístico: Escuta e Autoficção, com a atriz, diretora e pesquisadora Juliana Jardim, que propõe ações ensaísticas em diálogo com a escrita de Michel de Montaigne (1533-1592) e o cinema de Agnès Varda (23 a 27 de março).

Cartaz da 2ª Mostra de Teatro Estudantil

Segundo Piazentin, a primeira mostra nesse formato aconteceu no início de 2019. “Mas o Tusp já promovia a Mostra Experimentos, que privilegiava abertura de processos, incluindo experimentos de pesquisas de pós-graduação e trabalhos não concluídos”, conta, acrescentando que, depois de uma grande reforma do teatro – que ganhou uma infraestrutura que permite ações de grande porte –, a mostra foi retomada neste novo formato, abrindo inscrições para trabalhos de alunos de instituições de ensino e escolas técnicas, além de receber espetáculos convidados, demonstrações e oficinas paralelas. O objetivo do evento, afirma, é pensar em uma estrutura para além dos espetáculos, ampliando o interesse do público ao propor uma imersão na mostra.

A 2ª Mostra de Teatro Estudantil acontece de 28 de fevereiro a 29 de março, com apresentações de quarta a sábado, às 20 horas, e domingos, às 19 horas, no Teatro da USP (Tusp), localizado no Centro Universitário Maria Antonia (Rua Maria Antonia, 294, Vila Buarque, em São Paulo). Entrada grátis. Mais informações sobre o evento e as oficinas estão disponíveis no site do Tusp e no Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PUBLICIDADE