Nosso Jornal Online

Tatuí, 


sexta-feira, 27 de julho de 2018

Conheça a maior pista de testes da Ford na América Latina

O Campo de Provas de Tatuí completa 40 anos castigando veículos

Por Marcos Rozen
De Quatro Rodas, com edição do DT

A pista tem 50 km, sendo 41 km só de terra (Jonatan Sarmento/Quatro Rodas)

26/07/2018 - Tatuí tem o gentil apelido de Cidade Ternura.

Mas não há ternura nenhuma com os veículos Ford testados no Campo de Provas inaugurado na cidade em 1978: são 50 km de pistas, sendo 9 km de asfalto e 41 km de terra, além de laboratórios, oficinas, rampas, lombadas, pedras, buracos, ondulações, paralelepípedos, tanque de água e piscina de lama que permitem ao todo realizar 80 tipos de testes.

Ali, os carros sofrem, mas os pilotos se divertem.

• 4,6 milhões de km de área total, sendo 3,6 milhões de mata nativa
• 50 km de pistas, sendo 41 km de terra e 9 km de asfalto
• 250 milhões de km percorridos em testes durante 40 anos
• 3 laboratórios testam motores, suspensão, emissões, partida a frio, níveis de ruído e outros
• 5 outros Campos de Prova da Ford, como o de Tatuí, existem no mundo: dois deles ficam nos EUA, dois na Europa e um na China.

(Jonatan Sarmento/Quatro Rodas)

1 – Pistas especiais

(Divulgação/Ford)


Trechos com diversos obstáculos para teste dos componentes de suspensão: pedras, buracos, ondulações, valas, trilhos de trem ou paralelepípedos.

2 – Pista de alta velocidade

(Divulgação/Ford)

Aqui as placas de máxima indicam 140 km/h, um sonho distante das estradas. São colocados à prova aceleração, durabilidade, comportamento dinâmico, estabilidade, suspensão e freios.

3 – Pista interna

(Divulgação/Ford)

Testes exclusivos para transmissões, simulando uso severo em subidas, descidas e curvas.

4 – Pistas de terra

(Divulgação/Ford)

Nesta área são realizados inúmeros testes fora de estrada, desde vedação contra poeira até estabilidade em piso escorregadio, como pedriscos e cascalho solto em meio a curvas fechadas.

Há também uma área exclusiva para veículos 4×4, com direito a morros com inclinação de 45% e poço de lama.

5 – Laboratórios

(Divulgação/Ford)

Três unidades são responsáveis pela calibração e homologação de motores e por uma série de testes, que vão desde emissão de poluentes até barreira de impacto, passando por nível de ruído, partida do motor em temperaturas até -30 oC e simulador de rodagem.

Lá encontra-se uma oficina dedicada à construção de protótipos.

6 – Tanque de água

(Divulgação/Ford)

Avalia a capacidade de travessia de trechos alagados e a vedação da cabine.

7 – Pista de baixa velocidade

(Divulgação/Ford)

Neste local se concentram os testes de comportamento em situações urbanas, como durabilidade, retomada, arrefecimento e conforto.

8 – Rampas

(Divulgação/Ford)

As inclinações de 12% a 30% avaliam capacidade de partida em subida, sistemas de câmbio automático em subida e descida e os controles de tração.

Lombadas chinesas

Tatuí foi escolhida por razões estratégicas: chove pouco aqui e seus 146 km de distância para a cidade de São Paulo a mantém longe do olhar de curiosos.

Na época da Autolatina (1987-94), os carros da VW também eram testados em Tatuí.

Como o Campo de Provas era uma antiga fazenda, a Ford aproveitou uma plantação de milho que existia ali para treinamento de uso dos tratores que fabricou no Brasil, nos anos 1970 e 1980.

Para fazer a homologação do EcoSport para o mercado chinês, a Ford precisou importar lombadas da China, pois lá elas são de plástico e têm formato diferente das usadas no Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário