Nosso Jornal Online

Tatuí, 

PUBLICIDADE

ANUNCIE AQUI

Peça já seu orçamento
e-mail para publicidade@diariodetatui.com

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Prédio do matadouro velho será restaurado para sediar nosso Museu da Imagem e do Som

Espaço turístico será entregue junto com obra viária e ponte, mas apenas com a parte externa. 

Por O Progresso -18/11/2017. Editado pelo DT.

Rotatória poderá ser usada como dispositivo de acesso a ponto turístico (foto: Cristiano Mota)

O prédio do primeiro matadouro municipal que abrigará o futuro MIS (Museu da Imagem e do Som) será entregue na mesma data que a duplicação da marginal do ribeirão do Manduca e a ponte do Jardim Junqueira. A Prefeitura pretende inaugurar o conjunto de obras em dezembro.

Para isso, iniciou a abertura de acesso específico para a construção histórica, conforme o engenheiro civil Leonardo Cabaixo Spada. A ideia da Prefeitura é que os veículos possam entrar e sair do espaço sem impactar na marginal.

A Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura quer melhorar o fluxo de circulação de veículos, prevendo que haverá um aumento com a inauguração da duplicação do trecho. A meta é concluir as obras no dia 7 do mês que vem.

Com relação ao matadouro, o engenheiro explicou que a secretaria prevê apenas conclusão da primeira fase: a parte externa do prédio. Entretanto, a intenção da equipe vai depender do clima. Segundo Spada, a secretaria “está de olho” na meteorologia. Isso porque as chuvas podem comprometer os trabalhos.

Como o imóvel não apresenta danos estruturais, Spada informou que o cronograma de apresentação da fachada deve ser mantido. Conforme ele, o principal problema verificado na construção está sendo sanado e diz respeito ao madeiramento do telhado. As telhas também estão sendo substituídas.

Os pisos serão trocados apenas em uma segunda etapa, quando a Prefeitura já tiver recursos para transformar o prédio em MIS. No momento, as intervenções são feitas de maneira lenta, uma vez que exigem “calma e qualidade”, conforme o engenheiro.

Spada disse que, por não ser uma obra “normal”, o restauro não pode ser acelerado. O processo ainda depende da solução de dificuldades que vão sendo encontradas na medida em que a obra avança, como materiais de reposição.

Há, ainda, cautela por conta de um barracão que será demolido. A obra foi anexada ao imóvel original do matadouro e será removida por não ter nem material similar, nem as mesmas características da propriedade.

“Essa é a parte mais delicada da obra, em termos estruturais e de segurança”, acrescentou o professor e arquiteto Eduardo Salmar Nogueira e Taveira. Segundo ele, o processo de “separação dos imóveis” se dará por um corte estrutural, inicialmente feito à mão e, posteriormente, por meio de equipamentos.

Uma vez concluída a demolição, Taveira disse que a equipe atuará na implantação de projeto elétrico que não existe, assim como o projeto hidráulico. Em paralelo, a Prefeitura trabalha na confecção de um programa de paisagismo. A proposta incluiu construção de uma praça e de um estacionamento.

Esta é a primeira ação de revitalização desenvolvida pela secretaria. Para a tarefa, o titular da pasta explicou que a Prefeitura contratou alguns dos profissionais que atuaram no restauro da fábrica Santa Adélia, ocupada pela Coop.

O projeto é considerado uma ação educativa, pelo professor de arquitetura e urbanismo. Taveira destacou que a decisão da prefeita consiste em “uma atitude cultural”.

“Ela quer que a população venha e conheça um tipo de arquitetura, um desenho específico e histórico. São elementos que educam a população e fazem com que as pessoas gostem cada vez mais do local onde vivem”, ressaltou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário