Nosso Jornal Online

Tatuí, 

PUBLICIDADE


segunda-feira, 1 de maio de 2017

Belchior contou com arranjos do tatuiano José Roberto Bertrami

Do G1 - Antonio Carlos Belchior (26 de outubro de 1946 – 29 de abril de 2017) sai de cena aos 70 anos sem que ninguém tenha decifrado o enigma existencial deste cearense nascido em Sobral que abandonou a vida artística a partir de 2007, afundado em dívidas, crises e angústias. Compositor fundamental na corrente migratória que deslocou artistas nordestinos para o eixo Rio–São Paulo ao longo da década de 1970, Belchior logo se desgarrou do pessoal do Ceará para construir obra de identidade própria, ainda que o primeiro sucesso desse cancioneiro autoral, Mucuripe, música lançada em 1972 na voz icônica da cantora Elis Regina (1945 – 1982), tenha sido composto com o conterrâneo Raimundo Fagner (leia texto sobre as letras de Belchior).

Belchior estreou em disco em 1971 com a gravação e edição de compacto simples que apresentou a música Na hora do almoço. O primeiro álbum sairia somente em 1974, com a regravação dessa canção Na hora do almoço entre músicas então inéditas como A palo seco e Todo sujo de batom. Lançado pela extinta gravadora Continental, companhia fonográfica de origem brasileira, o álbum não alcançou o público, talvez por conta do canto torto do artista, cortante como faca e como as letras carregadas de urgência e paixão. Belchior precisou esperar dois anos para alcançar o sucesso nacional com a edição do segundo álbum, Alucinação, obra-prima da discografia do cantor e compositor, então já contratado pela multinacional Philips.

Produzido pelo então iniciante Marco Mazzola, Alucinação (1976) contou com arranjos do músico tatuiano José Roberto Bertrami e apresentou repertório inteiramente autoral (composto sem parceiros) que destacou o hit radiofônico Apenas um rapaz latino-americano e os dois petardos roqueiros detonados por Elis Regina no ano anterior no roteiro do antológico show Falso brilhante (1975 / 1977), além de nova regravação de A palo seco.

Em Alucinação, Belchior fez uma espécie de inventário emocional das perdas e ganhos da geração que tentou mudar o mundo na década de 1960. O disco já embutia uma amargura na constatação de que tudo continuava como antes. Mas o cantor, seduzido pelo sucesso, diluiria essa desilusão no toque pop do terceiro álbum, Coração selvagem (1977), lançado há 40 anos e alavancado pelo sucesso da passional canção-título, gravada recentemente pela cantora Ana Carolina. Foi o álbum que marcou a estreia do cantor na gravadora WEA.

Mesmo acenando para o pop radiofônico em músicas como Galos, noites e quintais (1976), lançada no ano anterior por Jair Rodrigues (1939 – 2014), Coração selvagem é um grande álbum em que Belchior deu voz à canção Paralelas (1975), música lançada há dois anos na voz de Vanusa, e regravou Todo sujo de batom.

A partir do quarto álbum, Todos os sentidos (1978), Belchior nunca mais alcançou a mesma popularidade e a mesma contundência como compositor, embora Medo de avião, música que abriu o álbum de 1979, tenha tocado muito bem nas rádios e gerado mais um hit para o artista. A rigor, foi a última música de Belchior a ganhar a voz do povo brasileiro.

Belchior gravou discos com regularidade ao longo das décadas de 1980 e 1990. Contudo, álbuns como Objeto direto (1980), Paraíso (1982), Cenas do próximo capítulo (1984), Melodrama (1987) e Elogio da loucura (1988) jamais reeditaram o vigor dos discos dos anos 1970. Em parte porque o repertório era menos inspirado, em que pese uma ou outra boa composição. Em parte porque o tom tecnopop dos arranjos dos anos 1980 estava fora de sintonia com o espírito da obra de um artista que alcançou mais relevância, empatia e representatividade entre 1972 e 1977.

De todo modo, Belchior sempre fez shows pelo Brasil com regularidade, escorado nas canções que lhe deram fama na década de 1970. Nunca lhe faltou público. E talvez tivesse sido assim até ontem à noite, quando ele saiu de cena na cidade gaúcha de Santa Cruz do Sul (RS). A questão é que Belchior, a partir de 2007, resolveu se recolher nos bastidores, cada vez mais arredio e recluso. Reclusão que virou fuga a partir de 2008. O que levou este senhor latino-americano a se retirar de cena há nove anos é um enigma que, ao que tudo indica, permanecerá indecifrado, já que a solução vai embora juntamente com Belchior.

Nenhum comentário:

Postar um comentário