Nosso Jornal Online

Tatuí, 

PUBLICIDADE

ANUNCIE AQUI

Peça já seu orçamento
e-mail para publicidade@diariodetatui.com

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Agentes encontram larvas do Aedes até em base de árvore em Tatuí

Larvas do Aedes foram encontradas em tambor em terreno
(Foto: Reprodução/ TV TEM)
Equipes percorrem bairros para tentar frear criação do mosquito.
Casas, terrenos baldios e até poças de água podem ter criadouros.


Do G1- Agentes de combate a dengue chegaram a encontrar larvas do mosquito Aedes aegypti na base de uma árvore Tatuí na última terça-feira (5). Em uma pequena cova, uma quantia de água parada foi suficiente para abrigar um criadouro do mosquito que também transmite o chikungunya e o zika vírus.

O supervisor do Controle de Vetores de Tatuí, Alberto de Paula Soares, ressalta que além da árvore outro local incomum que corre risco de virar criadouro de dengue são poças de água. Como exemplo, ele mostrou uma laja de uma casa em construção, onde a água da chuva fica parada e demora dias para evaporar:

“Temos um exemplo disso nesta laje de uma construção que está parada. Ficou empoçada a água da chuva, ela vai demorar para secar. E o mosquito leva de 12 a 15 dias para se reproduzir. Se essa água não secar vamos ter um criadouro aqui”, explica.

E se água parada em poças corre risco de atrair o mosquito, os moradores da Rua Doutor Olavo Ribeiro de Souza, entre os bairros Alvorada e Jardim Lucila, sentem-se apreensivos. É que há diversos buracos no asfalto. “Um buraco ali que tem um cone fica com água parada por mais de uma semana”, reclama a dona de casa Zilda de Moraes.

A Secretária de Infraestrutura de Tatuí afirma que a equipe do programa tapa buracos está realizando ações nos bairros até sexta-feira (8) e a rua citada está no cronograma.

Lixo em terreno
Outro criadouro do mosquito encontrado na terça pelos agentes foi em no terreno da casa que está em construção. Canos, latas de tintas, potes e outros objetos que estavam no local poderiam virar criadouro. Mas o único local que já tinha larvas do mosquito era um tambor aberto.

Para o supervisor do Controle de Vetores, Alberto de Paula Soares, mais que um trabalho dos agentes o combate ao mosquito deve ser uma obrigação de todos: “Evitar de jogar latas e pneus em locais que estão longe da casa da gente. Porque o que está longe de casa hoje pode estar perto amanhã. O lixo que ele joga perto da casa do outro pode fazer com que as pessoas próximas peguem dengue, zika vírus, e virar uma epidemia em toda cidade”, salienta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário